Conhecimentos básicos autoavaliados por servidores de saúde da região Topama: impacto de uma ação de educação permanente em saúde

Authors

  • Antonio Matheus Santos Medrado
  • Renata Andrade de Medeiros Moreira
  • Paulo Fernando de Melo Martins
  • Lucas Ruan Soares da Silva
  • Lordânia Moura Corrêa Ferreira
  • Renata Junqueira Pereira

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-175

Keywords:

Educação Permanente, Implementação de Plano de Saúde, Trabalhadores da Saúde, Sistemas de Informações em Saúde

Abstract

A Educação Permanente em Saúde (EPS) é uma abordagem educacional contínua e integrada, direcionada aos profissionais da saúde, com o objetivo de desenvolver competências, atualizar conhecimentos e promover a melhoria contínua da prática profissional ao longo de suas carreiras. Diante do exposto, o presente estudo buscou delinear o perfil de conhecimentos básicos autoavaliados por servidores da saúde da Rede de Saúde Interfederativa do Tocantins, Pará e Maranhão, antes e após curso de EPS. Trata-se de um estudo transversal e abordagem quantitativa descritiva, realizado em 2022, com servidores da Rede TOPAMA. Esta abrange um total de 110 municípios, sendo 65 no Norte do Tocantins, 22 no Sudeste do Pará e 23 no Sudoeste do Maranhão, destas, foram selecionados 8 municípios para receberem um curso de aperfeiçoamento em Gestão e Planejamento em Saúde Pública. A coleta de dados ocorreu em dois momentos, antes e após o curso. Participaram da pesquisa 161 servidores, sendo a maioria dos municípios de Ananás, Rondon do Pará, Santa Fé do Araguaia e Piraquê. Verificou-se que a maioria trabalhava em regime estatutário (54,3%) e atuava na Atenção Primária em Saúde (49,8%). No que diz respeito à utilização dos Sistemas de Informações em Saúde, antes e após a ação de EPS, verificou-se que o de Vigilância Sanitária-SIVISA foi o único cuja utilização modificou significativamente, onde 68,8% não utilizava, destes, 31,3% dos servidores passaram a utilizar após o curso (p=0,012). Os resultados indicam que a maioria dos servidores não teve acesso a cursos de integração ou EPS após a admissão, destacando uma lacuna significativa nas iniciativas de capacitação profissional. No entanto, a intervenção de EPS realizada demonstrou ser eficaz na melhoria do conhecimento e na utilização dos SIS.

References

BRASIL. Ministério da Saúde. Educação Permanente em Saúde. Reconhecer a produção local de cotidianos de saúde e ativar práticas colaborativas de aprendizagem e de entrelaçamento de saberes. Brasília (DF); 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS), 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 198/GM/ MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília (DF); 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, 64 p. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? Brasília (DF); 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Orientações para monitoramento e avaliação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2022. 84 p.

CAMPOS, K. F. C.; SENA, R. R.; SILVA, K. L. Permanent professional education in healthcare services. Escola Anna Nery, v. 21, n. 4, p.1-10, 7 ago. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0317

FERREIRA, J. E. S. M., OLIVEIRA, L. R. DE, MARQUES, W. S. et al. Sistemas de Informação em Saúde no apoio à gestão da Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, v. 14, n. 4, 2020. DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i4.1923

GONÇALVES, C. B. et al. A retomada do processo de implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde no Brasil. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. 1, p. 12-23, ago. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s101

LEMOS, C. L. S. Educação Permanente em Saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Ciência & Saúde Coletiva, 21(3), 913–922, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015213.08182015

LIMA, S. A. V.; ALBUQUERQUE, P. C.; WENCESLAU, L. D. Educação permanente em saúde segundo os profissionais da gestão de Recife, Pernambuco. Trabalho, Educação E Saúde, 12(2), 425–441, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462014000200012

LUCENA, K. D. T., DEININGER, L. S., SILVA, E. A., FIGUEIREDO, D. C. M., PEREIRA, A. J., & VIANNA, R. P. T. (2014). Health situation room as a tool for management: planning the territory of shares. Revista Enfermagem UFPE online, 8(3), 702-708.

SANTOS, P.F; PINTO, J.R., PEDROSA, K.A. A Educação Permanente como ferramenta no trabalho interprofissional na Atenção Primária à Saúde. Tempus, Actas de Saúde Colet., Brasília, 10(3), 177-189, set, 2016. DOI: https://doi.org/10.18569/tempus.v10i3.1641

SILVA, L. A. A. da.; SCHMIDT, S. M. S.; NOAL, H. C.; SIGNOR, E.; GOMES, I. E. M. Avaliação da educação permanente no processo de trabalho em saúde. Trabalho, Educação E Saúde, 14(3), 765–781, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00015

Published

2024-03-25

How to Cite

Medrado, A. M. S., Moreira, R. A. de M., Martins, P. F. de M., Silva, L. R. S. da, Ferreira, L. M. C., & Pereira, R. J. (2024). Conhecimentos básicos autoavaliados por servidores de saúde da região Topama: impacto de uma ação de educação permanente em saúde. Caderno Pedagógico, 21(3), e3371. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-175

Issue

Section

Articles