Estratégias didáticas para o fomento da argumentação jurídi-ca: prática do júri simulado

Authors

  • Alice Iracema Melo Aragão
  • Ana Patrícia Holanda Viganò
  • Francisco de Assis de Araújo Júnior

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-137

Keywords:

Didática, Argumentação Jurídica, Metodologias Ativas, Júri Simulado

Abstract

Um dos desafios do bacharel em Direito consiste em desenvolver a capacidade argumentativa visando estimular o raciocínio jurídico prudencial na resolução dos conflitos, bem como estabelecer uma relação de ensino e aprendizagem associado às necessidades e expectativas dos educandos torna-se uma preocupação dos educadores. Todavia, o modelo educacional brasileiro privilegia o domínio do conhecimento aliado às experiências profissionais dos docentes. Nesse contexto, para o exercício de uma carreira jurídica é esperado que o jurista tenha conhecimento, desenvolva habilidades e domine técnicas argumentativas, sendo o papel da universidade contribuir nesse sentido. Para tanto, através de um estudo bibliográfico, documental, qualitativo e descritivo, incluindo entrevistas junto aos coordenadores e alunos dos cursos de Direito nas universidades privadas de Fortaleza, no período de 01 de setembro a 30 de novembro de 2023, buscou-se propor uma estratégia didática de ensino, com o uso de metodologias ativas e fomento da argumentação, mediante a aplicação da ferramenta Júri Simulado. O objetivo principal desta pesquisa consiste em propor uma estratégia didática de ensino, com o uso de metodologias ativas na disciplina de Argumentação Jurídica na graduação em Direito, aproximando a prática à teoria jurídica, possibilitando uma maior absorção e construção do conhecimento pelo aluno. Ainda apresenta como objetivos específicos: destacar a importância do estudo sobre argumentação jurídica na graduação em Direito; demonstrar a necessidade da oferta da disciplina argumentação jurídica na grade curricular da graduação em Direito; apresentar e discutir o uso das metodologias ativas no ensino da disciplina de Argumentação Jurídica, e especial no que trata do uso da simulação do júri. Como resultado, constatou-se que o estudo da argumentação jurídica é primordial porque promove o estímulo de habilidades cognitivas e éticas, notadamente a resolução de conflitos e o raciocínio jurídico prudencial.

References

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos.; ALVES, Leonir. Pessate Alves. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 10. ed. Joinville: Univille, 2012. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2547831/mod_resource/content/1/Processos%2 0de%20Ensinagem.pdf. Acesso em: 10 out. 2023

ARAÚJO, José Carlos Souza. Fundamentos da metodologia de ensino ativa. 2015. Disponível em: https://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt02-4216.pdf. Acesso em: 28 de nov. de 2023.

ATIENZA, Manuel. As razões do direito: teoria da argumentação jurídica. 2. ed. Trad. Maria Cristina Guimarães Cupertino. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

ATIENZA, Manuel. El sentido del derecho. Barcelona: Ariel, 2004.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina Ciências Sociais e Humanas, v. 32, n. 1, p. 25- 40, 2011. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/ DOI: https://doi.org/10.5433/1679-0359.2011v32n1p25

article/view/10326/0. Acesso em: 10 nov. 2023.

BRASIL. Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. OAB Recomenda: a luta da advocacia brasileira pela proteção da educação jurídica. 7. ed. Brasília: OAB, Conselho Federal, 2022. Disponível em: https://s.oab.

org.br/arquivos/2022/04/1f146a41-ea04-4abb-b34f-e50c8d2ce5ad.pdf. Acesso em: 10 set. 2023.

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2018, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação (CNE/CES). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2018-pdf/104111-rces005- 18/file. Acesso em: 10 ago. 2023.

COMANDUCCI, Paolo. Constitucionalismo: problemas de definición y tipologia. Revista Doxa. Cuardernos de Filosofía del Derecho, n° 34, 2011, p. 95-100. Disponível em: https://doi.org/10.14198/DOXA2011.34.06. Acesso em: 10 out. 2023. DOI: https://doi.org/10.14198/DOXA2011.34.06

DAROS, Thuinie; CAMARGO, Fausto. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

FERRAJOLI, Luigi. Derechos y garantias: la ley del más débil. Madrid: Trotta, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GHIRARDI, José Garcez. Ainda precisamos da sala de aula? [recurso eletrônico]: inovação tecnológica, metodologias de ensino e desenho institucional nas faculdades de Direito. São Paulo: FGV Direito SP, 2015.

GRAJALES, Amós Arturo; NEGRI, Nicolás Jorge. Sobre la argumentación jurídica y sus teorias. Buenos Aires: Marcial Pons Argentina, 2018.

LIMA, Silvio Ulysses Sousa. O papel do advogado na formação da decisão judicial na era dos precedentes: desafios da hermenêutica e da argumentação jurídica. 2019. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Direito) – Centro Universitário Christus, Fortaleza, 2019. Disponível em: https://repositorio.

unichristus.edu.br/jspui/handle/123456789/799. Acesso em: 10 set. 2023.

MAROCCO, Andréa de Almeida Leite. Problem Based Learning na educação jurídica: desenvolvimento de habilidades e competências. 2016. 240 p. Tese (Doutorado) –Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Direito, Florianópolis, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/194089/

PDPC1338- T.pdf?sequence=-1&isAllowed=y. Acesso em: 29 de nov. 2023.

MOSSONI, Daniela Emmerich de Souza. Ensino jurídico: história, currículo e interdisciplinaridade. Tese (Doutorado em Educação: Currículo). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP. São Paulo, 2010, 256 f. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/9534/1/Daniela%20

Emmerich%20de%20So uza%20Mossini.pdf. Acesso em: 10 ago. 2023.

NUCCI, Guilherme de Souza. Júri: Princípios Constitucionais. São Pauto: Juarez de Oliveira, 2001.

ORTEGA, Manuel Segura. Sobre el sentido de la argumentación jurídica. In: GARCÍA, Ramón Ortega (Cord.). Teoría del derecho y argumentación jurídica: ensayos contemporáneos. México: Tirant lo Blanch México, 2013.

PAIVA, Marlla Rúbya Ferreira; PARENTE, José Reginaldo Feijão; BRANDÃO, Israel Rocha; QUEIROZ, Ana Helena Bomfim. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE – Revista de Políticas Públicas, v. 15, n. 2, 2016. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/

view/1049. Acesso em: 10 nov. 2023.

PEDROSO, Antonio Carlos de Campos. Aplicação prudencial dos esquemas normativos. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, n. 93, p. 291-337. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/ DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v93i0p291-337

Acesso em: 05 out. 2023.

PLANTIN, C. A argumentação: história, teorias, perspectivas. Tradução de MARCIONILO, M. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PORCHEDDU, A. Zygmunt Bauman: entrevista sobre a educação. Desafios pedagógicos e modernidade líquida. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 137, p. 661-684, Aug. 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742009000200016. Acesso em: 28 nov. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742009000200016

SANCHÍS, Luis Pietro. Sobre el neoconstitucionalismo y sus implicaciones. Justitia Constitucional y Derechos Fundamentales. Madrid: Trotta, 2003.

SANTOS, Carlos Alberto Moreira dos. O Uso De Metodologias Ativas De Aprendizagem a Partir De Uma Perspectiva Interdisciplinar. In: Seminário Internacional sobre Profissionalização Docente,5., 2015, Paraná. Anais [...]. Paraná: PUCPR, 2005. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/

pdf2015/20543_10759.pdfAcesso em: 31 out. 2023.

STRECK, Lenio Luiz. Tribunal do júri: símbolos e rituais. Imprenta: Livro do Advogado, 2001.

TOMÉ, Semiramys Fernandes; KARAM, Andrea Maria Sobreira; TASSIGNY, Mônica Mota. Argumentação jurídica: um método para construção do saber. Revista Jurídica Uniandrade, n. 26, v. 01, 2017. Disponível em:https://revista.

uniandrade.br/index.php/juridica/article/view/431/0. Acesso em: 10 ago. 2023.

VALE, André Rufino do. Argumentação constitucional: um estudo sobre a deliberação nos tribunais constitucionais. São Paulo: Almedina, 2019.

VICENTINO, Cláudio. História Geral: O feudalismo e o período medieval. 7. ed. São Paulo: Scipione, 1997.

WOLKMER, Antônio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 2. ed. Belo Horizonte, Del Rey, 2002.

Published

2024-03-21

How to Cite

Aragão , A. I. M., Viganò , A. P. H., & Araújo Júnior , F. de A. de. (2024). Estratégias didáticas para o fomento da argumentação jurídi-ca: prática do júri simulado. Caderno Pedagógico, 21(3), e3297. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-137

Issue

Section

Articles