O extrativismo mineral no Brasil: a gestão corporativa de territórios a partir da necropolítica ambiental

Authors

  • Sara Fialho
  • Marcelo Leles Romarco de Oliveira
  • Leonardo Civale

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-107

Keywords:

Mineração, Necropolítica Ambiental, Geopolítica Corporativa

Abstract

O artigo se propõe a analisar as dinâmicas político-econômicas do extrativismo mineral no Brasil, que conduzem à identificação de um processo cíclico de ecodependência, ou seja, a dependência econômica dos recursos naturais e dos produtos da agroindústria, o que é alimentado pela geopolítica internacional que reforça historicamente o papel dos países do Sul Global em fornecedores desses recursos para os países considerados desenvolvidos. Para tanto, a metodologia empregada consistiu em uma revisão de literatura das categorias analíticas território, neoextrativismo e necropolítica, a partir das quais a bibliografia levantada e dados secundários coletados foram analisados qualitativamente. Nesse sentido, o artigo problematiza como a partir do boom mineral, ocorrido entre 2003 a 2011- caracterizado pela alta internacional nos preços das commodities minerais e agrícolas-  a política mineral brasileira adotada a partir de então foi orientada fortemente pelo modelo político-econômico neoextrativista que acarretou a intensificação das atividades extrativas. Assim, mesmo após o período de boom, o Brasil orientado pela óptica político-econômica neoextrativista além de fomentar a exploração mineral e o avanço das fronteiras agrominerais, lançou-se em uma empreitada direcionada a flexibilizações da legislação ambiental e esvaziamento de importantes instituições do segmento. Dessa forma, no período compreendido entre 2019 a 2022, o Brasil vivenciou um processo de intensas flexibilizações ambientais, enfraquecimento de instituições ambientais ávidas por atender aos interesses do setor mineral, o que conduziu à construção de uma necropolítica ambiental, que a seu turno permitiu que a aparelhagem estatal efetuasse uma terceirização da gestão territorial e suas territorialidades, entregues nas mãos das grandes corporações do setor.

References

ACOSTA, Alberto; BRAND, Ulrich. Pós-extrativismo e decrescimento: saídas do labirinto capitalista. São Paulo: Elefante, 2018.

ANGELO, Maurício. Bolsonaro e MME liberam geral para o mercado de lítio, favorecendo carros elétricos e multinacionais. Observatório da Mineração, 06.07.2022. Disponível em: https://observatoriodamineracao.com.br/bolsonaro-e-mme-liberam-geral-para-o-mercado-de-litio-favorecendo-carros-eletricos-e-multinacionais/. Acesso em: 25 jun. 2023.

ANGELO, Maurício. Vale ditou regras para simplificar licenciamento ambiental em MG. Repórter Brasil, 22.02.2019. Disponível em:< https://reporterbrasil.org.br/2019/02/vale-ditou-regras-para-simplificar-licenciamento-ambiental-em-mg/>. Acesso em: 04 jun. 2023.

ANTUNES, André. A despolitização do debate ambiental no capitalismo neoli-beral. EPSJV/Fiocruz, 06.06.2012. Disponível em: https://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/reportagem/a-despolitizacao-do-debate-ambiental-no-capitalismo-neoliberal. Acesso em: 28 jun. 2023.

ARÁOZ, Horácio Machado. Mineração, genealogia do desastre: o extrati-vismo na América como origem da modernidade. Tradução: João Peres. São Paulo: Elefante, 2020.

CASTRO, João Luís Lobo Monteiro. Algo deve mudar para que tudo conti-nue como está: o perfil dos diretores da ANM e da SGM no governo Bol-sonaro. Versos - Textos para Discussão PoEMAS, 4(3), 1-14, 2020. Disponível em:< https://www.ufjf.br/poemas/files/2017/07/Castro-2020-Algo-deve-mudar-Versos-2.pdf>. Acesso em: 04 jun. 2023.

ESTADO DE MINAS GERAIS. Exploração de lítio no Vale do Jequitinhonha divide opiniões. Estado de Minas Gerais Internacional, 15.06.2023. Disponí-vel em: https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2023/06/15/interna_internacional,1507661/exploracao-de-litio-no-vale-do-jequitinhonha-divide-opinioes.shtml. Acesso em: 25 jun. 2023.

FELLET, João; PRAZERES, Leandro. Sob Bolsonaro, mortes de yanomami por desnutrição cresceram 331%. BBC News Brasil, 17.02.2023. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/articles/cw011x9rpldo. Acesso em: 29.06.2023.

FOCAULT, Michel. O nascimento da Biopolítica: curso dado no College de France (1978-1979). Tradução: Eduardo Brandão. Revisão de Tradução: Cláu-dia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GONÇALVES, Ricardo Junior de Assis Fernandes; MILANEZ, Bruno; WAN-DERLEY, Luiz Jardim. Neoextrativismo Liberal-Conservador: a política mineral e a questão agrária no Governo Temer. Revista OKARA: Geografia em deba-te, v.12, n.2, pp. 348-395, 2018..

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territó-rios” à multiterritorialidade. 6ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

HAESBAERT, Rogério. Ordenamento Territorial. Boletim Goiano de Geogra-fia, v. 26, n.1, 2006. Disponível em:< https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/3572/3359>. Acesso em: 03 jun. 2023.

HAESBAERT, Rogério. Território e descolonialidade. Sobre o giro (multi) territorial/ de(s) colonial na “América Latina”. 1ª Edição Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO; Niterói: Programa de Pós Graduação em Geogra-fia; Universidade Federal Fluminense, 2021.

HARVEY, David. O novo imperialismo. 2ª ed. Edições Loyola: São Paulo, 2005.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Garimpo ilegal na Terra Yanomami cresceu 54% em 2022, aponta Hutukara. ISA, 30.01.2023. Disponível em:< https://www.socioambiental.org/noticias-socioambientais/garimpo-ilegal-na-terra-yanomami-cresceu-54-em-2022-aponta-hutuka-ra#:~:text=Garimpo%20ilegal%20na%20Terra%20Yanomami%20cresceu%2054%25%20em%202022%2C%20aponta%20Hutukara,-%C3%81rea%20devastada%20explodiu&text=O%20garimpo%20ilegal%20cresceu%2054,feito%20por%20imagens%20de%20sat%C3%A9lite>. Acesso em: 04 mar. 2024.

LEFEBVRE, Henri. A produção do Espaço. Oxford: Blackwell Publis-hing.Tradução de Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins, 2006.

MAGNO, Lucas. Ordenamento territorial da mineração no Brasil e conflitos ambientais. Geografias- Artigos Científicos. Belo Horizonte, vol.11, n.1, 2015.

MAGNO; Lucas; WANDERLEY, Luiz Jardim; IORIO, Gustavo Soares. Territó-rios corporativos da mineração: barragens de rejeito,reconfiguração espacial e deslocamento compulsório em Minas Gerais – Brasil. Revista NERA, v. 26, n. 66, p. 15-40, mai.-ago., 2023.

MAPBIOMAS. 91,6% da área garimpada no Brasil ficam no Bioma Amazônia. MapBiomas, 2021. Disponível em: <https://mapbiomas.org/916-da-area-garimpada-no-brasil-ficam-no-bioma-amazonia>. Acesso em: 30 jun. 2023.

MASSEY, Dorren B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Tra-dução Hilda Pareto Maciel e Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro. Bertrand Bra-sil, 2008.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MILANEZ, Bruno; COELHO, Tádzio Peters; WANDERLEY, Luiz Jardim. O pro-jeto mineral no Governo Temer: menos Estado, mais mercado. Versos - Textos para Discussão PoEMAS, 1(2), 1-15, 2017. Disponível em:< https://www.ufjf.br/poemas/files/2017/04/Milanez-2017-O-projeto-mineral-no-governo-Temer-versos.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2023.

MILANEZ, Bruno; MAGNO, Lucas; PINTO, Raquel Giffoni. Da política fraca à política privada: o papel do setor mineral nas mudanças da política ambiental em Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública, 35 (5), 2019.

MILANEZ, Bruno; SANTOS, Rodrigo Salles Pereira dos. Neoextrativismo no Brasil? Uma análise da proposta do Novo Marco Legal da Mineração. R. Pós Ci. Soc. v.10, n.19, jan/jun. 2013.

MILANEZ, Bruno; WANDERLEY, Luiz Jardim de Moraes; MAGNO, Lucas. Mi-neração e Políticas Públicas: conflitos, retrocessos e propostas para um outro modelo mineral. Revista da ANPEGE, v.18, n. 36, 2022.

NOBREGA, Renata da Silva. Os atingidos por barragens: refugiados de uma guerra desconhecida. Rev. Inter. Mob. Hum., Brasília, Ano XIX, Nº 36, p. 125-143, jan./jun. 2011.

PINHEIRO, Gabriela. O direito minerário na manutenção de relações coloniais de exploração mineral no Brasil: uma análise crítica do instrumento de desa-propriação reforçado pelo artigo 41 do Decreto nº 9.406/2018. In: DERANI, Cristiane; IOCCA, Luciana; OLIVEIRA, Adrielle, Betina I. (orgs.). Caderno de Estudos de em Direito Ecológico Insurgente e Pensamento Decolonial. 1ª ed. Forianopólis: Habitus, 2020.

RIBEIRO, Luiz. Corrida do lítio promete fazer do Jequitinhonha o “vale da prosperidade”. Estado de Minas, 04.06.2023. Disponível em:https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2023/06/04/internas_economia,1502781/corrida-do-litio-promete-fazer-do-jequitinhonha-o-vale-da-prosperidade.shtml. Acesso em: 25 jun. 2023.

SANTOS, Milton. Cap. 7. O sistema técnico atual. In: SANTOS, Milton. A Natu-reza do Espaço: Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São Paulo: Editora da USP, 2002.

SANTOS, Milton. O dinheiro e o território. GEOgraphia – Ano. 1 – No 1, 1999. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/geographia/article/download/13360/8560/52708>. Acesso em: 05 jun. 2023.

SCHLOSBERG, David. Part. I: Justice in Theory and Practice, pp 3-41. In: De-fining Environmental Justice: Theories, Movements, and Nature. United States by Oxford University Press Inc., New York, 2007.

SILVA, Pedro Henrique Moreira; GOMES, Magno Federeci. A Bio-necropolítica das injustiças ambientais no Brasil. Revista Paradigma, Ribeirão Preto-SP, a. XXVI, v. 30, n. 1, 2021.

SVAMPA, Maristella. As fronteiras do neoextrativismo na América Latina: conflitos socioambientais, giro ecoterritorial e novas dependências. Tradu-ção: Lígia Azevedo. São Paulo: Elefante, 2019.

WANDERLEY, Luiz Jardim. Do Boom ao Pós-boom das commodities: o com-portamento do setor mineral no Brasil. Versos-Textos para Discussão PoE-MAS, 1(1), 2017. Disponível em: https://www.ufjf.br/poemas/files/2017/04/Wanderley-2017-Do-Boom-ao-P%C3%B3s-Boom-das-commodities-versos.pdf. Acesso em: 25 jun. 2023.

WANDERLEY, Luiz Jardim; GONÇALVES, Ricardo Júnior de Assis Fernan-des; MILANEZ, Bruno. O interesse é no minério: O neoextrativismo ultraliberal marginal e a ameaça da expansão da fronteira mineral pelo governo Bolsona-ro. Revista da ANPEGE, v.16, n. 29, 2020. Pp.555-599.

Published

2024-03-18

How to Cite

Fialho, S., Oliveira, M. L. R. de, & Civale, L. (2024). O extrativismo mineral no Brasil: a gestão corporativa de territórios a partir da necropolítica ambiental. Caderno Pedagógico, 21(3), e3219. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-107

Issue

Section

Articles