O Transtorno do Espectro Autista: desafios e possibilidades da prática docente na educação infantil no município de Porto Velho – RO, Amazônia Ocidental

Authors

  • Charlliene Lima da Silva
  • José Flávio da Paz

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-101

Keywords:

Educação Infantil, Formação de Professores, Inclusão, Prática Docente, TEA

Abstract

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é caracterizado por um transtorno do neurodesenvolvimento que compromete a interação social, comunicação e padrões repetitivos e restritos de comportamento ou interesses. Com o aumento significativo do número de crianças com TEA nas escolas regulares brasileiras, surge o interesse pela pesquisa, com a seguinte problemática, quais são as possibilidades e os desafios dos professores frente à aprendizagem e Inclusão de crianças com TEA na Educação Infantil em uma escola do município de Porto Velho-RO? Frente ao exposto, este estudo tem como objetivo analisar os desafios e possibilidades da prática docente na Educação Infantil de crianças com TEA no município de Porto Velho - RO. A metodologia teve com delineamento, o Estudo de Caso, abordagem qualitativa, como procedimentos, a entrevista semiestruturada com amostragem de sete professoras, cujos dados foram analisados por meio da análise de conteúdo (Bardin, 2011). O estudo fundamentou-se nas premissas teóricas de Mantoan (2006), Mendes (2010), Cunha (2009, 2012), entre outros. Os resultados indicaram que as professoras não se sentem preparadas e que enfrentam muitos desafios devido má formação inicial, à singularidade de cada criança no espectro, salas superlotadas, falta de formação continuada, material pedagógico e demora no diagnóstico da criança com autismo. Como possibilidades, destacou-se a necessidade de suporte profissional, formações e disponibilidade de tempo para elaboração de materiais.Conclui-se que as escolas devem estar em constante processo de mudança, promovendo formação continuada para os professores visando garantir uma educação de qualidade e equidade para todos os alunos, com ou sem deficiência.

References

AMERICAN PSYCHIATRY ASSOCIATION (APA). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais-DSM-V. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BEYER, H. O. A educação inclusiva: resinificando conceitos e práticas da educação especial: Revista inclusão, v. 2, 8 -12. 2007.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto editora, 2013.

BOSA, C. A. Autismo: intervenções psicoeducacionais. Revista Brasileira de Psiquiatria, v.28, p.47- 53. 2006

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, 1988.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão, v.4, n.1, p.7-17, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Lei 12.764 de 27 de dezembro de 2012. Brasília, 2012. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil

_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acesso em: 05 jul 2023

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 07 fev. 2022.

CAVALCANTE, A. E.; ROCHA, P. Autismo: construções e desconstruções São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

CUNHA, Eugênio. Autismo e inclusão: psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família. 4ª ed. – Rio de Janeiro: Wak Editora, 2009.

CUNHA, Eugênio. Práticas pedagógicas para a inclusão e diversidade. 2ª ed. – Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012.

DE VITTA, F. C. F., DE VITTA, A., & MONTEIRO, A. S. Percepção de professores de educação infantil sobre a inclusão da criança com deficiência. Revista Brasileira de Educação Especial, vol.16, n.3. 2010.

FRANCO, Maria Amélia do Rosário Santoro. Pedagogia e prática docente. 1. Ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GIBBS, Graham. Análise de dados qualitativos: coleção pesquisa qualitativa. Bookman Editora, 2009.

LIBERALESSO, Paulo; LACERDA, Lucelmo. Autismo: compreensão e práticas baseadas em evidências. [livro eletrônico] / Curitiba: Marcos Valentim de Souza, 2020. Disponível em: http://mid.curitiba.pr.gov.br/2021/00312283.pdf.

Acesso em: 20 mai. 2023.

MANTOAN, M.T.E. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer?. São Paulo: Moderna, 2006.

MENDES, E. G. Inclusão marco zero: começando pelas creches. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2010.

ORRÚ, S. E. Autismo, linguagem e educação: interação social no cotidiano escolar. 3ª ed. Rio de Janeiro: Wak, Ed. 2012.

SCHWARTZMAN, J. S.; ARAÚJO, C. A. (Org). Transtornos do espectro do autismo. São Paulo: Memnon, 2011.

SOUZA, Maria da Guia. Autismo e inclusão na Educação Infantil: efeitos de um programa de intervenção colaborativa nas práticas pedagógicas dos professores. 2019. 129f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Natal, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/28254 Acesso em: 15 mar. 2023.

SILVA, M.; MULICK, J. A. Diagnosticando o Transtorno Autista: Aspectos Fundamentais e Considerações Práticas. Psicologia Ciência e Profissão. Vol. 29, n. 1, 2009.

TAMANAHA, A., C.; PERISSINOTO, J.; CHIARI, B. M. Uma breve revisão histórica sobre a construção dos conceitos do Autismo Infantil e da síndrome de Asperger. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, v. 13, n. 3, 2008.

YIN, Robert. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Trad. Daniel Grassi. 2ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Published

2024-03-18

How to Cite

Silva, C. L. da, & Paz, J. F. da. (2024). O Transtorno do Espectro Autista: desafios e possibilidades da prática docente na educação infantil no município de Porto Velho – RO, Amazônia Ocidental. Caderno Pedagógico, 21(3), e3211. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-101

Issue

Section

Articles