Desenvolvimento do novo modelo de negócio da Clínica Palma Tao Acupuntura Aqui

Authors

  • Susana Trevizan Palma
  • Marcos Antonio Franklin
  • Alexandre Nabil Ghobril

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-087

Keywords:

Acupuntura, Inovação, Modelo de Negócio, Coworking Clínico

Abstract

Dados publicados pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde revelam um aumento de demanda para tratamento por meio de acupuntura no Brasil. Essa prática tradicional pode promover a saúde e o bem-estar geral do indivíduo. Assim, por intermédio deste artigo tecnológico, são apresentados os seguintes objetivos: o aproveitamento de oportunidade e a elaboração de um novo modelo de negócio no segmento de saúde, denominada Clínica Palma Tao – “Acupuntura Aqui”, que fica sediada no Município de São Caetano do Sul no Estado de São Paulo. A abordagem metodológica seguiu o modelo proposto por Marcondes, Miguel, Franklin e Perez (2017) para o desenvolvimento de trabalhos práticos e aplicados. Para apoiar a construção da proposta, foi efetuada uma pesquisa quantitativa, por meio de survey, elaboração da análise de SWOT e o modelo Canvas para o desenvolvimento da clínica. Considerando que, a região do ABC Paulista, em 2022 apresentou 1.7M de pessoas, a premissa de distância para deslocamento foi um fator relevante para o paciente que busca o tratamento. Sendo assim, para a estratégia de atender o público desta região, requer o desenvolvimento do negócio da Clínica Palma Tao – “Acupuntura Aqui” apresentando inovações, para este segmento, no que se refere a serviços e processos. No âmbito de serviços, decorre da mudança no modelo em que o serviço é entregue ao cliente tendo em vista que a clínica oferecerá diferentes endereços na região do ABC Paulista por meio da locação de coworkings clínicos. A inovação ocorre também em processos, dado mudança no modelo de operacionalização do negócio, criando parcerias e novas oportunidades de captação de clientes/pacientes.

References

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS, ano-base 2020). Relatório do Programa de Qualificação de Operadoras 2021, p. 33. 2021.

ALTMAN, S. Acupuncture as an emergency treatment. California veterinarian, v.15, n.1, p.6-8, 1979.

ANDERSSON, S. The functional background in acupuncture effects. Scandinavian Journal of Rehabilitation Medicine, suppl 29, p.31-60, 1993.

ARROW, K. J. The limits of organization. New York: WW Norton, 1974.

BANNERMAN, R.H. Acupuntura: a opinião da OMS. Revista Saúde do Mundo (OMS), dezembro, p.23-28, 1979.

BRASIL. Resolução 625, 16 mar. Dispões sobre o Registro de título de especialista no âmbito dos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária. Diário Oficial da União, Brasília, v.133, n.77, p.5694, 1995.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Recuperado em 18 de setembro de 2022. de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/. 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de atenção básica. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde. 96 p.: il. ISBN 978-85-334-2146-2, 2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema Único de Saúde (SUS). Comissão Interministerial de Planejamento e Coordenação (Ciplan), 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria-Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde, 2018.

GLOSSÁRIO TEMÁTICO: práticas integrativas e complementares em saúde / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. 180 p. ISBN 978-85-334-2583-5.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Saúde da Família Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB), 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil (DATASUS), 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Relatório de monitoramento nacional das práticas integrativas e complementares em saúde nos sistemas de informação em saúde. Secretaria de atenção primária à saúde. Departamento de saúde da família. Coordenação Nacional de práticas integrativas e complementares em saúde, 2020.

CAPDEVILA, I. Knowledge dynamics in localized communities: coworking spaces as microclusters. Recuperado em 16 de maio de 2022, de

https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2414121 , 2013.

COASE, R. H. The problem of social cost. The Journal of Law & Economics, Estados Unidos da América, Chicago, 1960. DOI: https://doi.org/10.1057/9780230523210_6

DE GUZMAN, G. V., & TANG A. I. Working in the “UnOffice”: a guide to coworking for indie workers, small businesses, and nonprofits, San Francisco: Night Owls Press, 2011.

DEIJL, C. Two heads are better than one: a case study of the coworking community in the Netherlands. Erasmus University Rotterdam, 2001.

DIÁRIO DO GRANDE ABC (2015). Notícias e informações das Sete cidades do Grande ABC. Recuperado e, 25 de setembro de 2022 de www.dgabc.com.br/canais/midiakit/2015/images/impresso2014/MidiaKit.pdf

DINCER, Ö. Strategy management and organization policy. Istanbul: Beta Publication, 2004.

DYSON, R.G. Strategic development and SWOT analysis at the University of Warwick. European Journal of Operational Research, 152, 631-640, 2004. DOI: https://doi.org/10.1016/S0377-2217(03)00062-6

FREEMAN, C., & SOETE, L. A economia da inovação industrial. Campinas: Unicamp, 2008.

GALLOUJ, F. & WEINSTEIN, O. Innovation in services. Research Policy, 26(4-5), 537-556, 1997. DOI: https://doi.org/10.1016/S0048-7333(97)00030-9

GANDINI, A. The rise of coworking spaces: A literature review - Ephemera: Theory and Politics in Organizations, p-193-205, 2015.

GEBAUER, J., & SHAW, M. J. Success factors and impacts of mobile business applications: results from a mobile e-procurement study. International Journal of Electronic Commerce, 8(3), 19-41, 2004. DOI: https://doi.org/10.1080/10864415.2004.11044304

GOVERNO DO BRASIL. Serviços e informações do Brasil. Recuperado em 18 de setembro de 2002 de https://www.gov.br/ . 2022.

HAUKNES, J. Services in innovation: innovation in services. Oslo: STEP group, STEP, Storgaten, 1998.

HOOLEY, G. J., SAUNDERS, J. A., & PIERCY, N. F. (2006). Estratégia de marketing e posicionamento competitivo. São Paulo: Pearson, 2006.

ITO, N.C., HAYASHI JUNIOR, P., GIMENEZ, F. A. P., & FENSTERSEIFER, J. E. Valor e vantagem competitiva: Buscando Definições, Relações e Repercussões. RAC, Rio de Janeiro, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552012000200008

JAGGAR, D. History and basic introduction to veterinary acupuncture. Problems in Veterinary Medicine, v.4, n.1, p.13-15, 1992.

KENDALL, D. E. A scientific model for acupuncture. Part I. American Journal of Acupuncture (California), v.17, n.3, p.251-268, 1989.

KOGUT, B. Joint venture: theoretical and empirical perspectives. Strategic Management Journal, 319-332, 1988. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.4250090403

KOTLER, P., & KELLER, K. Marketing essencial: conceitos, estratégias e casos. 5. ed. – São Paulo: Pearson, 2013.

LACERDA, M. R, GIACOMOZZI, C. M, OLINISKI, S. R, TRUPPEL, & T. C. Atenção à Saúde no Domicílio: modalidades que fundamentam sua prática. Saúde Soc, p.88-95, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902006000200009

LANGE, B. Re-scaling governance in Berlin’s creative economy, Culture Unbound, 3: 187-208, 2011. DOI: https://doi.org/10.3384/cu.2000.1525.113187

LAS CASAS, A. L. Marketing: conceitos, exercícios e casos. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1997.

LIMEIRA, T. M. V. E-marketing: o marketing na internet com casos brasileiros. 2. ed. São Paulo: Saraiva S/A Livreiros e Editores, 2007.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2004.

OCDE, Manual de Oslo. Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação. Paris, 1997.

MARCONDES, R. C., MIGUEL, L. A. P., FRANKLIN, M. A., & Perez, G. Metodologia para trabalhos práticos e aplicados: administração e contabilidade - [livro eletrônico] São Paulo: Editora Mackenzie, 2017.

MERKEL, J. Coworking in the city. Ephemera, 15, 121–139, 2015.

MESQUITA, L. A. F. As práticas que sustentam o trabalho colaborativo em espaços de coworking e o papel das tecnologias de Informação e comunicação: estudo de caso da Goma / 2016. 155 f, 2016.

MINTZBERG, H. A criação artesanal da estratégia. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

OSTERWALDER, A., & PIGNEUR, Y. Business model generation: inovação em modelos de negócios. Rio de Janeiro: Alta Books, 2011.

PINSONNEAULT, A., & KRAEMER, K. L. Survey research in management information systems: an assessement. Journal of Management Information System. v. 10, n. 2 (Fall, 1993), pp. 75-105, 1993. DOI: https://doi.org/10.1080/07421222.1993.11518001

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Competição - Edição Revista e Ampliada. São Paulo: Campus, 2009.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Justiça. Contratos e Convênios. Recuperado em 16 de outubro de 2022 de

https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/justica/acesso_a_informacao/index.php?p=297143. 2022.

PRIEM, R. L. A consumer perspective on value creation. The Academy of Management Review, 32(219):219-235, 2007. DOI: https://doi.org/10.5465/amr.2007.23464055

REEDY, J., SCHULLO, S., & ZIMMERMAN, K. Marketing eletrônico: a integração de recursos eletrônicos ao processo de marketing. Porto Alegre: Bookman, 2001.

REVISTA HABITARE. GPCOM Comunicação corporativa . Edital de 29 de agosto de 2022. Recuperado em 21 de novembro de 2022 de https://www.revistahabitare.com.br/opt-doc-um-coworking-de-saude/. 2022.

ROBBINS, P., JUDGE, A., & CAMPBELL, T. Organisational behaviour, Prentice Hall, 2010.

SCHOEN, A.M. Introduction to veterinary acupuncture: scientific basis and clinical applications. In: Annual Convention of the American Association of Equine Practitioners. California. Proceedings. California, p.39, 1993.

SCHUMPETER, J. A. The Theory of Economic Development. Harvard Uni-versity Press, Cambridge Massachusetts, 1934.

SCHUMPETER, J. A. O fenômeno fundamental do desenvolvimento econômi-co. In: A teoria do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Nova Cultu-ral, 1985.

SLATER, S., & NAVER, J. C. Market orientation, customer value and superior performance. Business Horizons, v. 37, n. 2, p. 22–29, 1994. DOI: https://doi.org/10.1016/0007-6813(94)90029-9

SPINUZZI, C. Working alone together coworking as emergent collaborative activity. Journal of Business and Technical Communication, v. 26, n. 4, p. 399-441, 2012. DOI: https://doi.org/10.1177/1050651912444070

STUMPF, C. Creativity and space: the power of Ba in coworking spaces. Masters Thesis, Corporate Management & Economics. Zeppelin University, 2013.

SUNDBO, J., & GALLOUJ, F. Innovation in services. Oslo, Noruega, 1998b.

SURMAN, T. Building social entrepreneurship through the power of coworking. Innovations: technology, governance, globalization, v. 8. Baltimore, 2013. DOI: https://doi.org/10.1162/INOV_a_00195

TIDD, J., BESSANT, J., & PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre-RS: Bookman, 2008.

WEIHRICH, H. The TOWS Matrix: a tool for situational analysis. Long Range Planning. v. 15, Issue 2, Apr. 1982. DOI: https://doi.org/10.1016/0024-6301(82)90120-0

WEN, T.S. Acupuntura clássica chinesa. 2.ed. São Paulo: Cultrix, 1989.

WOODRUFF, R. B. Customer value: the next source of competitive advantage. Journal of the Academy of Marketing Science, 25, 139-153, 1997. DOI: https://doi.org/10.1007/BF02894350

Published

2024-03-18

How to Cite

Palma, S. T., Franklin, M. A., & Ghobril, A. N. (2024). Desenvolvimento do novo modelo de negócio da Clínica Palma Tao Acupuntura Aqui. Caderno Pedagógico, 21(3), e3194. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-087

Issue

Section

Articles