Aprendendo e ensinando trigonometria com gravação de vídeos: para além da repetição e reprodução

Authors

  • Luciano Feliciano de Lima
  • Maria Francisca da Cunha
  • Eduardo José de Oliveira Estevão
  • Cilene Maria Batista Cardoso
  • Rinalde Silva Moura

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-084

Keywords:

Trigonometria, Produção de Vídeos, Tecnologias Digitais, Formação de Professores, Educação Matemática

Abstract

Este artigo propõe-se a refletir sobre as aprendizagens e dificuldades enfrentadas por licenciandos em matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Câmpus Sul – Sede: Morrinhos, ao serem incentivados a atuar como sujeitos ativos durante o processo de aprendizagem em uma disciplina de Fundamentos da Matemática, com foco específico no conteúdo de funções trigonométricas. A pesquisa adota os princípios da metodologia qualitativa, conforme delineados por Bogdan e Biklen (1994). Destaca-se, inicialmente, a ênfase no ambiente natural de aprendizagem, neste caso, o curso de Licenciatura em Matemática, como a fonte primária de dados. Os pesquisadores assumem um papel ativo e observador, imersos no contexto investigado. A coleta de dados processa-se por meio de atividades práticas, incluindo a resolução individual de exercícios e a produção de vídeos explicativos. Participam da pesquisa 21 estudantes, desafiados a resolver exercícios de trigonometria individualmente, produzir vídeos para o YouTube, elaborar exercícios em grupo e utilizar o GeoGebra na construção de tarefas planejadas, além de realizar autoavaliações sobre o processo. Durante três meses, os dados recolhidos em encontros semanais online síncrono, e por meio de atividades assíncronas também, foram analisados qualitativamente com uma abordagem interpretativa. Os resultados indicam dificuldades dos licenciandos em realizar demonstrações matemáticas, produzir vídeos explicativos, elaborar tarefas matemáticas e utilizar o software GeoGebra. Identificam-se, por outro lado, potencialidades como a importância do compartilhamento de ideias, do trabalho colaborativo e da perseverança na realização das tarefas, fundamentais para o desempenho acadêmico e a formação docente. O estudo contribui para a formação de professores, destacando a relevância de integrar novas tecnologias e metodologias no ensino de matemática. Sugere-se a realização de futuras investigações sobre a produção de vídeos no contexto do ensino e aprendizagem de matemática para outros conteúdos matemáticos​​.

References

ALRØ, Helle; SKOVSMOSE, Ole. Diálogo e Aprendizagem em Educação Matemática. Trad. Orlando de A. Figueiredo. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação: Uma

intodução à Teoria e aos Métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/04/BNCC_ EnsinoMedio_embaixa_site.pdf

Acesso em 07 mai. 2021.

FERRÉS, J. Vídeo e Educação. Tradução Juan Acuña Llorens. 2. ed. PortoAlegre:Artes Médicas, 1996.

FIORENTINI, D. Formação de professores de Matemática. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

FONTES, Bárbara Cunha. Vídeo, Comunicação e Educação Matemática: um olhar para a produção dos licenciandos em matemática da educação a distância. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 2019.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. Organização e participação Ana Maria de Araújo Freire. 1. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

GUIA DO ESTUDANTE. Blog Por dentro das profissões. Percentual de estudantes que querem ser professores diminui, diz OCDE. Disponível em https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/pordentrodasprofissoes/percentual-de-estudantes-que-querem-ser-professores-diminui-diz-ocde/ Acesso em 06 mai. 2021.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação.

Campinas: Editora Papirus, 2012.

LIMA, L. F.; CUNHA, M. F.; MOURA, R. S.; ESTEVÃO, E. J. O. . Produção de vídeos de matemática em uma interação escola-universidade em tempos de pandemia. Expressa Extensão, v. 26, p. 161-174, 2021.

MARTIRANI, L. A. O vídeo e a pedagogia da comunicação no ensinouniversitário. In:PENTEADO, H. D. (Org.) Pedagogia da comunicação: teoriase práticas. 2. ed. SãoPaulo: Cortez, 2001.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Resultados do Censo da Educação Superior 2020 disponíveis. ABRAFI, 18 de fevereiro de 2022. Disponível emhttps://www.abrafi.org.br/index.php/site/noticiasnovo/ver/5343/educacao-superior. Acesso em: 31 de janeiro de 2024.

MUZZI, L. Baixa procura e evasão acendem alerta em licenciaturas na UFMG. (2015) Disponível em https://www.otempo.com.br/cidades/baixa-procura-e-evasao-acendem-alerta-em-licenciaturas-na-ufmg-1.1040448 Acesso em 06 mai. 2021.

OBSERVATÓRIO DO CONHECIMENTO. 19% dos formandos em licenciaturas não querem trabalhar como professores. Disponível em: https://observatoriodoconhecimento.org.br/19-dos-formandos-em-licenciaturas-nao-querem-trabalhar-como-professores/. Acesso em: 04 dez. 2023.

PENTEADO, M. G.; BORBA, M. C. A informática em ação: formação de professores, pesquisa e extensão. São Paulo: Olho d’Água, 2000.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. Educação na era digital: a escola educativa. Porto Alegre: Penso, 2015.

RODRIGUES, T. I.; FERREIRA, L.; SANTOS, T. S.; FRANÇA, F. F. Primeiro ano do Curso de Licenciatura Matemática: expectativas, desejos e permanência. Anais do XII Encontro Nacional de Educação Matemática. Educação Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades. São Paulo, SP, 13 a 16 de julho de 2016.

ROGERS, C. R. Liberdade para aprender. 2ª ed. Belo Horizonte: Interlivros, 1973.

SOUTO, R. M. A. Egressos da licenciatura em matemática abandonam o magistério: reflexões sobre profissão e condição docente. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 42, n. 4, p. 1077-1092, out./dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/s1517-9702201608144401

SKOVSMOSE, O. Cenários para investigação. Boletim de educação matemática. São Paulo: Unesp-Rio Claro, 2000.

SKOVSMOSE, O. Educação Crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. Tradução Maria Aparecida Viggiani Bicudo. São Paulo: Cortez, 2007.

TARTARO, T. F. A pantera cor de rosa na formação de educadores matemáticos. Linha Mestra, Campinas, p. 225-228, agosto-dezembro, 2003.

Published

2024-03-18

How to Cite

Lima, L. F. de, Cunha, M. F. da, Estevão, E. J. de O., Cardoso , C. M. B., & Moura, R. S. (2024). Aprendendo e ensinando trigonometria com gravação de vídeos: para além da repetição e reprodução. Caderno Pedagógico, 21(3), e3191. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-084

Issue

Section

Articles