Mangabas, saberes e cosmologias: por extrativistas de Aricuru-Amazônia-Brasil

Authors

  • Sandolene do Socorro Ramos Pinto

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-047

Keywords:

saber local, extrativismo da mangaba, cosmologias na relação com a natureza

Abstract

Este artigo aborda saberes, práticas e cosmologias relacionadas ao extrativismo da mangaba (Hancornia speciosa Gomes). O texto é de natureza teórica e qualitativa, utiliza análises publicadas em artigos científicos e livros, compõem o trabalho dados empíricos coletados na comunidade de Aricuru, município de Maracanã, estado do Pará. O objetivo deste estudo é fazer um breve exercício de revisão teórica sobre a relação sociedade e natureza com ilustrações empíricas a partir de um recorte sobre a importância do extrativismo da mangaba[1] e dos saberes, práticas e cosmologias que as pessoas envolvidas nesse trabalho detêm, compartilham e transmitem de geração a geração na comunidade de Aricuru. Os procedimentos incluíram a fundamentação teórica, seguido de pesquisa de campo realizada na comunidade de Aricuru. No primeiro momento, foi solicitada a autorização e selecionados os participantes. No segundo momento, foi assinado o termo de consentimento livre e esclarecido e realizada observações e 15 entrevistas com os extrativistas da mangaba. Os resultados da pesquisa demonstram que o manejo e uso da mangaba estão associados aos saberes e práticas construídos pelos membros da referida comunidade, bem como com o sentimento pelas plantas que extrapola o uso como um recurso natural a ser explorado. Durante a inserção em campo foi possível constatar que essa relação se sobrepõe ao aspecto utilitarista, pois os extrativistas consideram que essas plantas sentem quando são manejadas de forma errada, ou quando queimam durante o período de estiagem.

References

ALMEIDA, A. W. B. de. Biologismos, geografismos e dualismos: notas para uma leitura crítica de esquemas interpretativos da Amazônia que dominam a vida intelectual. In: PORRO, R. Alternativa Agroflorestal na Amazônia em Transformação. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2009. p. 65-122.

APARICIO, M. Relações Alteradas – Ideias Suruwaha sobre Animais e Caça. Ilha – Revista de Antropologia, v. 16, p. 37-68, 2014. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8034.2014v16n2p37

ASSIS, R. L. Desenvolvimento rural sustentável no Brasil: perspectivas a partir da integração de ações públicas e privadas com base na agroecologia. Rev. Economia aplicada, Ribeirão Preto, v.10, n. 1, jan./mar. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-80502006000100005

BEAUD, S; WEBER, F. Guia para a pesquisa de campo: produzir e analisar dados etnográficos. Trad. de Sérgio Joaquim de Almeida. Petrópolis: Vozes, 2007.

BERKES, F. Sacred ecology: traditional ecological knowl¬edge and resource management. Philadelphia: Nova York: Taylor & Francis, 1999.

BRUMER, A.; ROSENFIELD, C. L.; HOLZMANN, L.; SANTOS, T. S. A elaboração de projeto de pesquisa em ciências sociais. In: GUAZZELLI. C. A; PINTO, C. R. J. B (org.). Ciências humanas: pesquisa e método. Porto Alegre: UFRGS, 2008.

CASTRO, E. V. de. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, v. 2, n. 2, p. 115-144, 1996. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-93131996000200005

CUNHA, M. C. da C. da; ALMEIDA, M. B. Enciclopédia da floresta, o alto Juruá: práticas e conhecimentos das populações. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DESCOLA, P. Más allá de la Naturaleza y la cultura. In: MONTENEGRO MARTÍNEZ, L. (Ed.). Cultura y naturaleza: Aproximaciones a propósito del bicentenario de la independencia de Colombia. Bogotá: Jardín Botánico de Bogotá José Celestino Mutis, 2011.

FERREIRA, B. C. et al. Estudo técnico para criação de unidades de conservação na categoria RDS “Campo das Mangabas” no Município de Maracanã/PA. Belém: Secretaria de Estado de Meio Ambiente, 2013.

FLICK, U. Uma introdução à Pesquisa Qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Book-man, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE), Maracanã, 2021. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/maracana/panorama. Acesso em: 09 dez. 2023.

LIMA, A. G. de M. de. Etnografia das roças Krahô: a vida sócio-ritual das plantas e a estética da diversidade. In: LIMA, A. G. de M. de. et al. Práticas e saberes da agrobiodiversidade: a contribuição dos povos tradicionais. 1. ed. Brasília: Mil Folha, 2018. V. 1.

MANN, P. H. Etapas básicas da investigação sociológica. In: MANN, P. H. Métodos de investigação sociológica. 2. ed. Tradução: Octávio Alves Velho. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

MARTINS, J. de S. Fronteira – A degradação do outro nos confins do humano. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2009. V. 1.

MICHELAT, G. Sobre a utilização de entrevista não diretiva em sociologia. In: THIOLENT, M. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. 5. ed. São Paulo: Polis, 1987. p. 191-212.

MINAYO, M. C. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

MINAYO, M.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes: 2016.

MOTA, D. M.; SILVA JÚNIOR, J. F.; SCHMITZ, H.; RODRIGUES, R. F. A. A Mangabeira. As Catadoras. O Extrativismo. Belém: Embrapa, 2011.

MOTA, D. M.; SCHMITZ, H.; SILVA JÚNIOR, J. F. O Extrativismo em tempos de globalização no nordeste brasileiro. In: Sociedade Brasileira de Sociologia, 13. Recife. Anais. Recife: SBS, 2007.

MOTA, D. M.; SILVA JÚNIOR, J. F.; SCHMITZ, H.; BRITO, J. V. S. As senhoras da mangaba. In: MOTA, D. M.; SILVA JÚNIOR, J. F.; SCHMITZ, H.; RODRIGUES, R. F. A. A Mangabeira. As Catadoras. O Extrativismo. Belém: Embrapa, 2011. p. 105-137.

OLIVEIRA. R. C. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In: OLIVEIRA. R. C. O trabalho do antropólogo. 2 ed. São Paulo: Editora Unesp; Paralelo 15, 2000.

OUTHWAITE, W.; BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento social do século XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

PARÁ. Decreto nº 1.567, de 17 de junho de 2016. Cria a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Campo das Mangabas e o Refúgio de Vida Silvestre Pe. Sérgio Tonetto. Diário Oficial do Estado do Pará, Belém, PA, v. 126, n. 33.151, p. 6-7, 20 jun. 2016.

PARÁ. Reserva de Desenvolvimento Sustentável Campo das Mangabas. Disponível em: https://ideflorbio.pa.gov.br/reserva-de-desenvolvimento-sustentavel-campo-das-mangabas/. Acesso em: 10 jul. 2020.

PARÁ. SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Relatório da Consulta Pública para a Criação de Unidade de Conservação da Natureza do Grupo de Uso Sustentável Reserva de Desenvolvimento Sustentável Campo das Mangabas. Belém: Secretaria de Estado de Meio Ambiente, 2013.

PINTO, S. S. R. Mobilização e conflitos em torno da criação de uma Reserva de Desenvolvimento Sus¬tentável no Campo da Mangaba, Maracanã-PA. 2016. 128 f. Dissertação (Mestrado em Agriculturas Fa¬miliares e Desenvolvimento Sustentável) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

PINTO, S. S. R.; SCHMITZ, H. Mobilização e conflito no processo de criação de uma Unidade de Conservação no Pará. Raízes, v.37, n.1, jan./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.37370/raizes.2017.v37.51

SABOURIN, Eric. A ajuda mútua rural, entre intercâmbio e reciprocidade. In: Encontro da Rede de Estudos Rurais, 1, Niterói. Anais. Niterói: UFF, Rede de Estudos Rurais, 2006. CD.

SANTOS, Gilton M. dos; SANTOS, Geraldo M. dos. Homens, peixes e espíritos: a pesca ritual dos Enawene-Nawe. Tellus, Campo Grande, ano 8, n. 14, p. 39-59, abr. 2008. DOI: https://doi.org/10.20435/tellus.v0i14.149

SILVA JÚNIOR, J. F.; MOTA, D. M. da; SCHMITZ, H.; BRITO, J. V. S. Saberes e práticas: tradição ameaçada. In: SILVA JÚNIOR, J. F., SCHMITZ, H., RODRIGUES, R. F. A. A mangabeira, as catadoras, o extrativismo. Belém: Embrapa Amazônia Oriental; Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2011. p. 251-290.

SILVA, C. V. da; MIGUEL, L. A. Extrativismo e Abordagem Sistêmica. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 17, n. 2, p. 189-217, 2014. DOI: https://doi.org/10.5801/ncn.v17i2.1580

TORRES, M. A despensa viva: um banco de germoplasma nos roçados da floresta. Geografia em questão, Cascavel, v. 4, n. 2, 2011.

Published

2024-03-08

How to Cite

Pinto, S. do S. R. (2024). Mangabas, saberes e cosmologias: por extrativistas de Aricuru-Amazônia-Brasil. Caderno Pedagógico, 21(3), e3059. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-047

Issue

Section

Articles