Tendências na prevalência e distribuição de helmintos e protozoários em comunidades quilombolas: uma revisão integrativa

Authors

  • Débora Pereira dos Santos
  • Andernice dos Santos Zanetti
  • Rosilainy Surubi Fernandes
  • Tatiane Amorim de Matos
  • Shaiana Vilella Hartwig
  • Herena Naoco Chisaki Isobe
  • Leila Valderes Souza Gattass
  • Lucas França de Barros
  • Natasha Rayane de Oliveira Lima
  • Leticia Cunha Olivi
  • Darlon Senna Machado
  • Daniel Leite de Azevedo
  • Antonio Francisco Malheiros

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-035

Keywords:

enteroparasitoses, helmintos, protozoários, quilombos

Abstract

As comunidades quilombolas representam uma parte significativa da população brasileira, trazendo consigo uma história rica e uma luta contínua por reconhecimento e direitos. Este estudo investiga as tendências na prevalência e distribuição de helmintos e protozoários nessas comunidades, dada a falta de conhecimento específico sobre sua situação epidemiológica. A partir de uma revisão integrativa da literatura, examinamos estudos que abordam a presença desses parasitas em comunidades quilombolas no Brasil. Ao examinar os casos positivados por unidade da federação, observamos variações significativas na distribuição das enteroparasitoses, com alguns estados demonstrando uma necessidade urgente de intervenção para gestão e prevenção dessas doenças. Helmintos, como Ascaris lumbricoides, Enterobius vermiculares, Ancilostomídeos e Trichuris trichiura, bem como protozoários, como Entamoeba coli, Giardia lamblia e Entamoeba histolytica, foram identificados em números consideráveis nos estudos revisados. Tais infecções, ocasionadas por protozoários e helmintos, representam uma das principais preocupações em saúde global, afetando significativamente a qualidade de vida de milhões de indivíduos em todo o mundo. Isto é especialmente relevante em comunidades quilombolas, onde condições socioeconômicas desfavoráveis e falta de acesso a serviços básicos de saúde e saneamento contribuem para um maior risco de infecções parasitárias. Dada a sua localização muitas vezes remota e isolada, essas comunidades enfrentam desafios adicionais para a prevenção, diagnóstico e tratamento eficazes dessas doenças. Esses resultados destacam a complexidade das interações entre fatores socioambientais e a saúde das comunidades quilombolas. Portanto, intervenções eficazes para reduzir a incidência de enteroparasitoses nessas comunidades devem considerar uma abordagem multidisciplinar que leve em conta não apenas o acesso a serviços básicos, como água tratada e saneamento, mas também questões socioeconômicas e comportamentais específicas dessas populações.

References

ALMEIDA, M. R. G. de; NASCIMENTO, E. F. do. Ocupação, produção e resistência: terras quilombolas e o lento caminho das titulações. Interações (Campo Grande), [s. l.], v. 23, p. 945–958, 2023. Disponível em: https://www.scielo.br/j/inter/a/SNmc5Kn3BCRDkqHqCdd8KNh/. Acesso em: 16 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v23i4.3520

ALVES, H. J. et al. Saúde da Família, territórios quilombolas e a defesa da vida. Trabalho, Educação e Saúde, [s. l.], v. 21, p. e02209219, 2023. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tes/a/GLtJdvHmbsyKRNPRZsQLq6j/. Acesso em: 29 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-ojs2209

AMORIM, M. M. et al. Avaliação das condições habitacionais e de saúde da comunidade quilombola Boqueirão, Bahia, Brasil. Biosci. j. (Online), [s. l.], p. 1049–1057, 2013. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/bioscience

journal/article/view/17308/12929. Acesso em: 19 nov. 2023.

ANDRADE, E. C. de et al. Parasitoses intestinais: uma revisão sobre seus aspectos sociais, epidemiológicos, clínicos e terapêuticos. Revista de APS, [s. l.], v. 13, n. 2, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/

article/view/14508. Acesso em: 29 jan. 2024.

ANDRADE, E. C. de et al. Prevalência de parasitoses intestinais em comunidade quilombola no Município de Bias Fortes, Estado de Minas Gerais, Brasil, 2008. Epidemiologia e Serviços de Saúde, [s. l.], v. 20, n. 3, p. 337–344, 2011. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742011000300008

-49742011000300008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 19 nov. 2023.

ANTUNES, R. S. et al. Parasitoses intestinais: prevalência e aspectos epidemiológicos em moradores de rua. Revista Brasileira de Análises Clínicas, [s. l.], v. 52, n. 1, 2020. Disponível em: http://www.gnresearch.org/doi/ DOI: https://doi.org/10.21877/2448-3877.202000894

21877/2448-3877.202000894. Acesso em: 29 jan. 2024.

ARAÚJO, R. L. M. de S. et al. Condições de vida, saúde e morbidade de comunidades quilombolas do semiárido baiano, Brasil. Rev. baiana saúde pública, [s. l.], p. 226–246, 2019. Disponível em: http://rbsp.sesab.ba.gov.br/ DOI: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2019.v43.n1.a2988

index.php/rbsp/article/view/2988/2618. Acesso em: 19 nov. 2023.

BATISTA, E. C.; ROCHA, K. B. Saúde mental em comunidades quilombolas do Brasil: uma revisão sistemática da literatura. Interações (Campo Grande), [s. l.], v. 21, p. 35–50, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/inter/a/mKw DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v21i1.2149

yPqBVc4QBgMsxkqnyH9d/. Acesso em: 16 dez. 2023.

BELO, V. S. et al. Fatores associados à ocorrência de parasitoses intestinais em uma população de crianças e adolescentes. Revista Paulista de Pediatria, [s. l.], v. 30, p. 195–201, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rpp/a/3KC98F DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-05822012000200007

gr6WvZDnNQZrxwN5w/. Acesso em: 16 dez. 2023.

BRASIL. Guia prático para o controle das geo-helmintíases. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. População quilombola é de 1,3 milhão, indica recorte inédito do censo. [S. l.], 2023. Disponível em: https://www.gov.br/pt-br/noticias/assistencia-social/2023/07/populacao-quilombola-e-de-1-3-milhao-indica-recorte-inedito-do-censo. Acesso em: 29 nov. 2023.

CABRAL-MIRANDA, G.; DATTOLI, V. C. C.; DIAS-LIMA, A. Enteroparasitos e condições socioeconômicas e sanitárias de uma comunidade Quilombola do semi-árido Baiano. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, [s. l.], v. 39, n. 1, p. 48–55, 2010. Disponível em: https://revistas. DOI: https://doi.org/10.5216/rpt.v39i1.9498

ufg.br/iptsp/article/view/9498. Acesso em: 19 nov. 2023.

CARVALHO, G. L. X. de et al. A comparative study of the TF-Test®, Kato-Katz, Hoffman-Pons-Janer, Willis and Baermann-Moraes coprologic methods for the detection of human parasitosis. Mem Inst Oswaldo Cruz, [s. l.], p. 80–84, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&nrm=iso&lng= DOI: https://doi.org/10.1590/S0074-02762012000100011

pt&tlng=pt&pid=S0074-02762012000100011. Acesso em: 19 nov. 2023.

CIRQUEIRA JÚNIOR, H. et al. Saúde em comunidade quilombola: caracterização ambiental e ocorrência de enteroparasitoses. Revista da universidade vale do Rio Verde, [s. l.], 2015. Disponível em: http://periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/2509. Acesso em: 19 nov. 2023. DOI: https://doi.org/10.5892/ruvrd.v13i1.2509

COSTA, M. S.; DENADAI, W. Intestinal Parasites and Polyparasitism: Neglected Diseases in Children and Teenagers from Quilombolas Communities – Espírito Santo State, Brazil. Perspectivas Médicas, [s. l.], v. 25, n. 1, p. 5–10, 2014. Disponível em: http://fmj.br/revista/abstract_2014_1/revista_online_abstract_ DOI: https://doi.org/10.6006/perspectmed.20140101.2341542672

asp. Acesso em: 19 nov. 2023.

COUTINHO, G. B. et al. Presence of protozoans and helminths in quilombola children from Agreste region of Pernambuco, Northeast Brazil / Presença de protozoários e helmintos em crianças que residem em comunidades quilombolas, localizadas na cidade de Garanhuns, Pernambuco. Brazilian Journal of Health Review, [s. l.], v. 3, n. 6, p. 19191–19199, 2020. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BJHR/article/view/22009. Acesso em: 19 nov. 2023. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-303

DAMAZIO, S. M. et al. Intestinal parasites in a quilombola community of the Northern State of Espírito Santo, Brazil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, [s. l.], v. 55, p. 179–183, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rimtsp/a/N5NKyCPnnhsqnSpFkLskNNg/?lang=en. Acesso em: 9 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0036-46652013000300007

DIAS, G. M. F. et al. Giardia spp. e Cryptosporidium spp. em água de manancial superficial de abastecimento contaminada por dejetos humano e animal. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, [s. l.], v. 60, p. 1291–1300, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/abmvz/a/nJ4Vxg8jzTrpZY DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-09352008000600001

brkDQ4HbT/. Acesso em: 30 jan. 2024.

ESPINOSA, A. dos S. Z. Diversidade, prevalência e distribuição de enteroparasitas em diferentes hospedeiros de três biomas brasileiros. 2021. Tese de Doutorado – Universidade do Estado do Mato Grosso, Cáceres, 2021. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/

coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=10814658. Acesso em: 16 dez. 2023.

EUSTACHIO, P. et al. Intestinal parasitosis and environmental contamination with helminths and protozoa in a Quilombola community of southeast Brazil. Rev. cuba. med. trop, [s. l.], p. e299–e299, 2019. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0375-07602019000100002. Acesso em: 19 nov. 2023.

FARIAS, M. M. B. et al. Anthelmintic treatment follow up in a rural community in Camamu, Bahia, Brazil. Anais Da Academia Brasileira De Ciencias, [s. l.], v. 95, n. 3, p. e20230323, 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0001-3765202320230323

FIGUERÊDO, P. G. J. et al. Enteroparasitoses e fatores associados em quilombolas da comunidade Ilha de São Vicente no Norte do estado do Tocantins. Peer Review, [s. l.], v. 5, n. 23, p. 292–305, 2023. Disponível em: https://peerw.org/index.php/journals/article/view/1350. Acesso em: 9 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.53660/1350.prw2856

GARAY, J. C. Protozoários Intestinais em Amostras de Fezes Submetidas ao Exame de Rotina em Laboratórios de Análises Clínicas: Uma Revisão Sistemática. 2022. Monografia – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2022.

GOIS, J. N. P. et al. Parasitoses intestinais como indicadores sócio-sanitários de saúde em comunidades quilombolas do Brasil Central. Facit Business and Technology Journal, [s. l.], v. 1, n. 43, 2023. Disponível em: http://revistas.

faculdadefacit.edu.br/index.php/JNT/article/view/2304. Acesso em: 29 jan. 2024.

IBGE. Brasil tem 1,3 milhão de quilombolas em 1.696 municípios | Agência de Notícias. [S. l.], 2023. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/

agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/37464-brasil-tem-1-3-milhao-de-quilombolas-em-1-696-municipios. Acesso em: 16 dez. 2023.

LEITE, B. S. Frequência de parasitos intestinais em pacientes oncológicos atendidos em um centro de referência no estado do Rio Grande do Norte. 2022. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Biociências, Programa de Pós-graduação em Biologia Parasitária., Natal – RN, 2022. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/bitstream/12345

/49089/1/Frequenciaparasitosintestinais_Leite_2022.pdf. Acesso em: 31 jan. 2024.

LEITE, I. B. Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, [s. l.], n. vol. 4 (2), p. 333–354, 2000. Disponível em: https://journals. DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.2769

openedition.org/etnografica/2769. Acesso em: 29 jan. 2024.

LEITE, L. M. G. et al. Prevalência de enteroparasitas em crianças provenientes da área rural de Cáceres-MT. Research, Society and Development, [s. l.], v. 10, n. 16, p. e96101623551–e96101623551, 2021. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/23551. Acesso em: 30 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i16.23551

MARQUES, J. R. A.; GUTJAHR, A. L. N.; BRAGA, C. E. D. S. Prevalência de parasitoses intestinais em crianças e pré-adolescentes no município de Breves, Pará, Brasil. Saúde e Pesquisa, [s. l.], v. 14, n. 3, p. 1–18, 2021. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/8678. Acesso em: 29 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.17765/2176-9206.2021v14n3e8678

MARTINS, A. A. P. et al. Diagnóstico e prevenção de parasitoses intestinais em crianças da comunidade quilombola ‘Tia Eva maria de jesus’, campo grande/ms: parasitoses intestinais em crianças de uma comunidade quilombola. Open Science Research II, [s. l.], p. 435–441, 2022. Disponível em: http://www. DOI: https://doi.org/10.37885/220307999

editoracientifica.org/articles/code/220307999. Acesso em: 9 dez. 2023.

MELO, G. B. D. et al. Current status of research regarding Blastocystis sp., an enigmatic protist, in Brazil. Clinics, [s. l.], v. 76, p. e2489, 2021. Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1807593222001107. Acesso em: 29 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.6061/clinics/2021/e2489

MELO, M. F. T. de; SILVA, H. P. Doenças crônicas e os determinantes sociais da saúde em comunidades quilombolas do Pará, Amazônia, Brasil. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [s. l.], v. 7, n. 16, p. 168–189, 2015. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/site/article/

view/103. Acesso em: 29 jan. 2024.

MENDES, A. N. Incidência de ascaridíase em comunidade quilombola de Cachoeiro de Itapemirim, Espirito Santo, Brasil. Boletim Informativo Geum, [s. l.], v. 7, n. 1, p. 28–33, 2016.

MOREIRA, M. A. et al. Cenário da prevalência e condições socioambientais associadas às geo-helmintíases no Brasil: Uma revisão integrativa da literatura. Research, Society and Development, [s. l.], v. 10, n. 5, p. e23610515000, 2021. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15000. Acesso em: 29 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.15000

MOREIRA, F. et al. Prevalência de parasitas intestinais em moradores da cidade de Araçatuba, SP. Scire Salutis, [s. l.], v. 13, n. 2, p. 27–37, 2023. Disponível em: https://sustenere.inf.br/index.php/sciresalutis/article/view/8267. Acesso em: 29 jan. 2024.

MORENO-MESONERO, L. et al. Protozoan parasites and free-living amoebae contamination in organic leafy green vegetables and strawberries from Spain. Food and Waterborne Parasitology, [s. l.], v. 32, p. e00200, 2023. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC10316001/. Acesso em: 30 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.1016/j.fawpar.2023.e00200

NEVES, D. P. et al. Parasitologia Humana. 13. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2016.

NEVES, D. P.; FILIPPIS, T. de. Parasitologia Básica. 3. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2014.

NIEDERMAIER, A. et al. Incidência de parasitoses em uma comunidade quilombola de Joinville, Santa Catarina. Revista Brasileira de Análises Clínicas, [s. l.], v. 54, n. 2, p. 132–138, 2022. Disponível em: https://www.rbac.org.br/artigos/incidencia-de-parasitoses-em-uma-comunidade-quilombola-de-joinville-santa-catarina/. Acesso em: 19 nov. 2023. DOI: https://doi.org/10.21877/2448-3877.202200012

NUNES, Xenusa Pereira; ALMEIDA, J. R. G. D. S.; NUNES, Xirley Pereira. Anemia ferropriva, enteroparasitoses e esgotamento sanitário. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, [s. l.], 2014. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/rbps/article/view/8499. Acesso em: 29 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.21722/rbps.v16i1.8499

PAGE, M. J. et al. The PRISMA 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. BMJ, [s. l.], p. n71, 2021. Disponível em: https://www.bmj.com/lookup/doi/10.1136/bmj.n71. Acesso em: 31 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.n71

PANAZZOLO, G. K. et al. One Health Approach in Serosurvey of Toxoplasma gondii in Former Black Slave (Quilombola) Communities in Southern Brazil and Among Their Dogs. Tropical Medicine and Infectious Disease, [s. l.], v. 8, n. 7, p. 377, 2023. DOI: https://doi.org/10.3390/tropicalmed8070377

PASSOS, R. A. de A. O acesso a cidadania pelas comunidades quilombolas através do fomento e do desenvolvimento de políticas públicas de igualdade: um estudo de caso. 2021. 200 f. Dissertação (Programa de Mestrado em Administração Pública) – Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, MG, 2021. Disponível em: http://tede.fjp.mg.gov.br/handle/tede/521. Acesso em: 29 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.54466/sorianed.978-65-5453-057-6

PEREIRA, A. M. da S. Prevalência de enteroparasitoses no estado de São Paulo: uma revisão da literatura (2000-2022). 2023. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) – Universidade Federal de São Paulo – Campus Diadema, Diadema, 2023. Disponível em: https://repo

sitorio.unifesp.br/bitstream/handle/11600/70089/TCC%20-%20%20Agatha%20

Ma%c3%adra%20da%20Silva%20Pereira.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 29 jan. 2024.

RANGEL, D. L. D. O. et al. Perfil parasitológico de moradores de uma comunidade quilombola. Acta Paulista de Enfermagem, [s. l.], v. 27, n. 6, p. 513–519, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ DOI: https://doi.org/10.1590/1982-0194201400084

arttext&pid=S0103-21002014000600513&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 19 nov. 2023.

RECKEL, L. de O. et al. Fisiopatologia da Síndrome de Loeffler: Uma revisão bibliográfica. Brazilian Journal of Health Review, [s. l.], v. 6, n. 2, p. 7847–7856, 2023. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BJHR/ DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv6n2-270

article/view/59064. Acesso em: 30 jan. 2024.

ROQUE, G. A. S. et al. As helmintíases, doenças tropicais negligenciadas, podem afetar a eficácia das vacinas? Com ênfase na COVID-19. BioEns@ios, [s. l.], v. 1, p. e023002–e023002, 2023. Disponível em: https://econtents.bc.

unicamp.br/inpec/index.php/bioe/article/view/18331. Acesso em: 29 jan. 2024.

ROSINE, G. D. et al. Prevalência de parasitose intestinal em uma comunidade quilombola do semiárido baiano. Aletheia, [s. l.], v. 51, n. 1–2, p. 97–107, 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1

-03942018000100009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 19 nov. 2023.

SCHMITT, A.; TURATTI, M. C. M.; CARVALHO, M. C. P. de. A atualização do conceito de quilombo: identidade e território nas definições teóricas. Ambiente & Sociedade, [s. l.], p. 129–136, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/as DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2002000100008

oc/a/3zsW4C3r6CFYcnx8sPSDrdk/abstract/?lang=pt. Acesso em: 29 jan. 2024.

SILVA, L. C. da S. et al. Correlação entre o estado nutricional e a prevalência deenteroparasitoses em crianças de uma comunidade quilombolada cidade de Caetés, Pernambuco. Mundo saúde (Impr.), [s. l.], p. [250-259], 2021. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/mundo_saude_artigos/

correlacaonutricional_enteroparasitoses_criancascaetes.pdf. Acesso em: 19 nov. 2023.

SOUTO, R. G. et al. Avaliação das parasitoses intestinais e da esquistossomose hepática em uma comunidade quilombola, em São Francisco, MG. Motricidade, [s. l.], v. 8, n. 2, p. 95–103, 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.

oa?id=273023568012. Acesso em: 9 dez. 2023.

TARGA, S. M. et al. Prevalência de blastocystis sp. em moradores de uma comunidade quilombola na região pantaneira do estado de Mato Grosso. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, [s. l.], v. 27, n. 6, p. 3013–3024, 2023. Disponível em: https://ojs.revistasunipar.com.br/index.php/saude/ DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v27i6.2023-055

article/view/10310. Acesso em: 9 dez. 2023.

TIAGO, P. V. et al. Prevalência de parasitoses intestinais em pacientes da unidade mista de saúde em Tangará da Serra, Mato Grosso, Brasil. Revista de Ciências Agro-Ambientais, [s. l.], v. 3, p. 117–124, 2005.

Published

2024-03-08

How to Cite

Santos, D. P. dos, Zanetti, A. dos S., Fernandes , R. S., Matos, T. A. de, Hartwig, S. V., Isobe, H. N. C., Gattass, L. V. S., Barros, L. F. de, Lima, N. R. de O., Olivi, L. C., Machado , D. S., Azevedo , D. L. de, & Malheiros , A. F. (2024). Tendências na prevalência e distribuição de helmintos e protozoários em comunidades quilombolas: uma revisão integrativa. Caderno Pedagógico, 21(3), e3047. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-035

Issue

Section

Articles