Paisagem, um conceito em construção a partir da experiência prática

Authors

  • Rosane Patricia Fernandes
  • Luciano Raiter

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-019

Keywords:

paisagem, pesquisa de campo, metodologia de ensino

Abstract

Este estudo analisa a relevância do trabalho de campo na formação docente, com vistas à importância da compreensão e preservação dos recursos naturais e culturais, explorando a paisagem como recurso pedagógico. Tomamos como experiência as saídas de campo da disciplina de antropologia e educação, do curso de Pedagogia do Instituto Superior de Educação de Guaratuba, tendo como objeto de pesquisa o espaço geográfico da Baía de Guaratuba e seu entorno, um cenário que reúne mata atlântica, sítios arqueológicos e históricos, oficinas líticas, manguezais e uma área de ocupação que, de certo modo, descaracterizou a naturalidade dessa baía. Procurou-se com o trabalho de campo fornecer aos alunos o aprendizado sobre esse patrimônio pela observação direta da paisagem, no intuito de relacioná-la com os seus aspectos físico-naturais e atividades humanas presentes nesse espaço. Para isso, abordou-se a paisagem como um espaço simbiótico, permeado de experiências em uma dimensão histórica que reflete as vivências de seus habitantes, difundindo relações de conflitos e prazer, inclusão e exclusão, o desenvolvimento e preservação de um território, afinal a paisagem é um lócus em constante transformação, construído de experiência e sensações relacionais, entre seus objetos de constituição, e pela tensão entre os objetos e as significações atribuídas a eles pelas percepções de um espaço de construção social, cultural e de memória. Nesse sentido, a metodologia do trabalho de campo é apropriada ao conhecimento, por trazer a experiência exploratória sensorial, permitir a observação empírica dos fenômenos estudados e o contato com os agentes sociais, visto que isso nos conduzirá a possibilidade de intervenções relacionadas ao processo histórico de ocupação, considerando os fatores condicionantes educativos e culturais, fatores emotivos, sensitivos e afetivos. A partir dessa interpretação holística, decodificar-se-á a paisagem pelo olhar do expectador, composta de formas naturais e antropogênicas, a considerar as variáveis; ecológica, cultural, socioeconômica e sensorial da paisagem. O resultado esperado é a compreensão de que o método da pesquisa de campo em diferentes disciplinas do curso de Pedagogia é um excelente método de ensino ao unir a prática e a teoria, além de demostrar que o território deve ser interpretado como uma memória cultural impressa no meio com a qual interagimos constantemente e a paisagem como o local onde ocorreram as transformações das interações entre a sociedade e a natureza.

References

ALVES, L.A.; LOPES, M.; SILVA, K. A Importância de se Praticar o Trabalho de Campo na Ciência Geográfica. A MARGEM – Estudos, Uberlândia – MG, ano 1, n. 1, p. 10-9, jan./jun.2008.

AMORIM Filho, O. B. O Contexto Teórico do Desenvolvimento dos Estudos Humanísticos e Perceptivos na Geografia. In: AMORIM Filho, O. B.; CARTER, H. e KOHLSDORF, M. E. Percepção Ambiental: Contexto Teórico e Aplicações ao Tema Urbano. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Geografia, 1987.

ANDRADE, Maria H. de Paiva, e MORAIS, Marta B. Ciências – Ensinar e aprender. Anos iniciais do ensino fundamental. Belo Horizonte: Dimensão, 2009.

ARRUDA, Gilmar. “Minha terra tem palmeiras”: paisagem, patrimônio e identidade nacional. In: FUNARI, Pedro Paulo A.; PELEGRINI, Sandra C. A.; RAMBELI, Gilson (Org.). Patrimônio cultural e ambiental. São Paulo: Annablume, 2009.

BANDEIRA, D. R. Os Constritores dos Montes de Conchas e os Mais Antigos Moradores da Baía da Babitonga. Joinville Ontem e Hoje, n. 3, mar. 2005.

BIGARELLA, J. J. et al. Sambaquis, Curitiba, PR: Posigraf, 2011.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

CAPEL, H. Percepción del Médio y Comportamiento Geográfico. Revista de Geografia, Universidad de Barcelona, v. 7, n. 1-2, enero-diciembre, 1973.

CLAVAL, P. “A volta do Cultural” na geografia. Mercator – Revista de Geografia da UFC, ano 1, n. 1, 2002a.

CLAVAL, P. El enfoque cultural y las concepciones geográficas del espacio. Boletin de La A.G.E., n. 4, 2002b.

CONSELHO DO LITORAL. Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado – PDDI Guaratuba. Curitiba: Governo do Estado do Paraná, 2002.

CRIADO BOADO, F. Construcción social Del espacio y reconstrucción arqueológica del paisagen. Boletín de Antropología Americana, n. 24, p. 5-29, 1991.

DE BLASIS, P., Sabine Eggers, Marta Lahr, Levy Figuti, Marisa C. Afonso & Maria Dulce Gaspar 1998. Padrões de assentamento e formação de sambaquis em Santa Catarina. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, v. 8, p. 319-321. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.1998.109563

DELPHIM, Carlos Fernando de Moura. Paisagem. In CARVALHO, Claudia S. Rodrigues de; GRANATO, Marcus; BEZERRA, Rafael Zamorano; BENCHETRIT, Sarah Fassa. Um olhar contemporâneo sobre a preservação do patrimônio cultural material. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2008, p. 88-100.

FAGUNDES, Marcelo. Uma análise da paisagem em arqueologia – os lugares persistentes. 2006. Disponivel em: http://www.webartigos.com/artigos/

uma-analise-da-paisagem-em-arqueologia-os-lugares-persistentes/7203/#ixzz4

M7knSvn3. Acesso em: set. 2016.

FERNANDES, R.P.; BANDEIRA, D.R. Potencialidades da musealização de sítios Arqueológicos: caso da APA de Guaratuba – PR. Revista Museologia e Patrimônio, Unirio-MAST, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 77-94, 2014.

FERNANDES, Rosane Patrícia; BANDEIRA, Dione Rocha. A coleção etnográfica de cerâmicas caseiras de Guilherme Tiburtius – cultura material e história da região de Araucária (PR). Revista Confluências Culturais, v. 9, n. 1, 2020. DOI: https://doi.org/10.21726/rcc.v9i1.117

FERRARA, Lucrecia D’Alésio. Olhar Periférico: informação, linguagem e percepção ambiental. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1993.

KOZEL, S. T. Das Imagens às Linguagens do Geográfico: Curitiba, a “Capital Ecológica”. 301f. Tese (Doutorado em Geografia) – USP – Universidade de São Paulo, 2001.

MATTOS, Claudia Valladão de. Paisagem desdobramentos e perspectivas contemporâneas. Comentários sobre a pintura de paisagem e os desdobramentos da crítica ambiental no século XIX, na França e no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2010.

OLIVEIRA, Alana P. Lima de; CORREIA, Mônica Dorigo. Aula de campo como mecanismo facilitador do ensino aprendizagem sobre os ecossistemas recifais em Alagoas. ALEXANDRIA Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 6, n. 2, p. 163-190, jun. 2013, ISSN 1982-5153.

RIBEIRO, Rafael Winter. Paisagem Cultural e Patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN, 2007.

SCHIER, R, A. Trajetórias do conceito de paisagem na geografia. Revista RA´EGA, Curitiba, Editora UFPR, n. 7, p. 79-85, 2003. DOI: https://doi.org/10.5380/raega.v7i0.3353

SOUZA. Flávia C. A. de. A preservação do patrimônio arqueológico em Joinville/SC: desamontoando conchas e evidenciando memórias. Curitiba, 2007.

TUAN, Y. F. Topofilia: Um Estudo da Percepção, Atitudes e Valores do Meio Ambientel. São Paulo: Difel, 1980.

Published

2024-03-01

How to Cite

Fernandes, R. P., & Raiter, L. (2024). Paisagem, um conceito em construção a partir da experiência prática. Caderno Pedagógico, 21(3), e2955. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-019

Issue

Section

Articles