Violência obstétrica e a importância da atuação da equipe profissional de saúde

Authors

  • Maria Fernanda de Lemos Schuler
  • Gisele Dal Wenning
  • Isoldina Ngueve Chindemba Capingana
  • Lucas Belani Ribeiro
  • Thaís Fernandes Campos
  • Samara Santos de Castro
  • Beatriz Pasqueta Fontes
  • Johny William dos Santos
  • Maria Beatriz Landim Alves Gonçalves
  • Mariana Farias Savioli
  • Vitor Marques Prestes
  • Amanda Martins Souza
  • Lara Ataíde Heyden Prestes

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-014

Keywords:

violência obstétrica, equipe multiprofissional, mulheres

Abstract

Objetivo: Descrever a importância da atuação da equipe profissional de saúde quanto a violência obstétrica. Método: Consiste numa revisão integrativa, realizada com base na seguinte pergunta norteadora: Qual a importância da atuação da equipe profissional de saúde quanto a violência obstétrica? sendo utilizado a estratégia PICO, em que “p” população: Mulheres que sofrem ou sofreram violência obstétrica, “I” interesse: Avaliação da influência da violência obstétrica e atuação da equipe profissional, e “C” e “O” contexto: Impacto da violência obstétrica e importância da equipe profissional de saúde. Utilizou-se a busca avançada por meio da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), cruzando os descritores por meio do operador booleano “AND” e “OR”.  Resultados: A amostra final foi constituída de 6 artigos, que resultaram em 2 categorias: Violência obstétrica e os abusos sofridos pelas gestantes; Violência obstétrica e a importância da equipe multiprofissional. Conclusão: Entende-se que, o apoio da equipe multiprofissional é de grande importância durante o atendimento à mulher gestante, deve-se oferecer um suporte integral a mulher e acolhê-la, tendo total conhecimento sobre o significado de violência obstétrica. Conclui-se que a equipe profissional tem um papel crucial quanto a violência obstétrica, no atendimento e na prevenção, o profissional tem de respeitar a mulher e sua fisiologia. Apesar do número elevado de pesquisas sobre o tema abordado, ainda existem muitos profissionais que não sabem o significado de violência obstétrica, no qual traz riscos as gestantes, que necessitam da educação e saúde, os profissionais precisam esta informados sobre o assunto e relatar a gestante que precisa de todo apoio.

References

AGUIAR, C. A.; FELICIANO, R. G.; TANAKA, A. C. d’. Near-miss materno e violência obstétrica: uma relação possível? Sexualidade, Saúde & Sociedade (Rio de Janeiro), v. 38, p. e22208, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2022.38.e22208.a

ANNBORN, A.; FINNBOGADÓTTIR, H. R. Obstetric violence: a qualitative interview study.Midwifery, v. 105, p. 103212, fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1016/j.midw.2021.103212

BITENCOURT, A. C.; OLIVEIRA, S. L. de; RENNÓ, G. M. Violência obstétrica para os profissionais que assistem ao parto. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil (Online), v. 22, n. 4, p. 943-951, out./dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9304202200040012

CÂMARA DOS DEPUTADOS. (2024). Violência obstétrica é violação dos direitos humanos, diz OMS. Câmara dos Deputados/SECOM. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permane

ntes/cdhm/noticias/violencia-obstetrica-e-violacao-dos-direitos-humanos-diz-oms

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: Princípios e diretrizes. Brasília, 2004.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes. 2. reimp. Brasília, DF, 2011.

ORSO, L. F.; SILVA, A. de L. e; MARQUES, S. R. A.; MAZZETTO, F. M. C.; JAMAS, M. T.; COSTA, M. C. G. da. Violência obstétrica: experiência da equipe multidisciplinar em saúde. Revista Enfermagem UFPE Online, v. 15, n. 2, p. 1-15, jul. 2021. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2021.246960

RODRIGUES, K. Tese faz análise histórica da violência obstétrica no Brasil. Fiocruz. 20 maio 2022. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/

noticia/tese-faz-analise-historica-da-violencia-obstetrica-no-brasil

SILVA, F. da C.; VIANA, M. R. P.; AMORIM, F. C. M. de; VERAS, J. M. de M. F.; SANTOS, R. de C.; SOUSA, L. L. de. O saber de puérperas sobre violência obstétrica. Revista Enfermagem UFPE Online, v. 13, p. 1-6, 2019. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2019.242100

SANTOS, C. M. D. C. et al. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2007.

SOUTO, R. E. M. et al. Formas e prevalência da violência obstétrica durante o trabalho de parto e parto: revisão integrativa. Revista de Enfermagem UFPE Online, v. 16, n. 1, p. 1-16, jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2022.253246

WHITTEMORE, R.; KNAFL, K. The Integrative Review: Updated Methodology. Journal of Advanced Nursing, v. 52, n. 5, p. 546–553, 2005. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2648.2005.03621.x

Published

2024-03-01

How to Cite

Schuler, M. F. de L., Wenning, G. D., Capingana, I. N. C., Ribeiro, L. B., Campos, T. F., de Castro, S. S., Fontes, B. P., dos Santos, J. W., Gonçalves, M. B. L. A., Savioli, M. F., Prestes, V. M., Souza, A. M., & Prestes, L. A. H. (2024). Violência obstétrica e a importância da atuação da equipe profissional de saúde . Caderno Pedagógico, 21(3), e2947. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-014

Issue

Section

Articles