Produção de fitomassa e acúmulo de carbono em mudas de batata-doce biofortificada ‘CIP-BRS-Nuti’

Authors

  • Ludimila Alves de Sousa
  • Durval Dias de Oliveira Júnior
  • Guilherme James Carvalho da Costa
  • Guilherme Pereira Evangelista Alves
  • Jamily Lima Santos
  • Joalisson Batista de Lima
  • Rodolfo Rodrigo Santos Feitosa
  • Manoel Pedro da Costa Noronha Júnior
  • Erbs Cintra de Souza Gomes

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-102

Keywords:

alimentos biofortificados, sequestro de carbono, propagação, ramas-sementes, fisiologia do crescimento

Abstract

A batata-doce é uma das principais fontes de alimentos para populações. Na contramão da relevância social e econômica da cultura, a facilidade na obtenção de material propagativo de baixa qualidade tem colocado em risco a qualidade e produtividade de plantios. Neste sentido, objetivou-se com este trabalho avaliar o índice de pegamento, altura média das mudas, acúmulo de fitomassa em raízes, caules, folhas e planta inteira, além do acúmulo de carbono (C) em mudas de batata-doce biofortificada ‘CIP-BRS-Nuti’, em função do número de gemas. O estudo foi realizado no setor de produção de mudas de batata-doce do IFSertãoPE, Campus Petrolina Zona Rural – CPZR, Petrolina, PE, Brasil, entre os meses de agosto a outubro de 2022. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com 03 tratamentos e 25 repetições. As avaliações foram realizadas aos sete e 35 dias após o plantio (DAP). Aos 07 DAP, foi determinado o índice de pagamento das mudas (IP %). Aos 35 DAP, todas as mudas foram coletadas. Inicialmente, avaliou-se a altura média das mudas; individualmente, as mudas foram separadas em raízes, caules e folhas, pesadas com auxílio de balança de precisão para determinar a massa fresca. Após a pesagem, as mudas foram acondicionadas em sacos de papel devidamente identificados, levadas à estufa de circulação de ar forçada – 65ºC, 72h, para determinação da sua massa seca. O acúmulo de carbono (C) foi realizado considerando que 1g de fitomassa corresponde a 0,4g de C. Em todos os tratamentos foram observados IP ≥ 98%. As maiores alturas de mudas foram observadas no T2 (02 gemas); os maiores valores de acúmulo de massa fresca e seca em caules, folhas, planta inteira e C ocorreu em mudas com 02 ou 03 gemas, T2 e T3, respetivamente. Recomenda-se a propagação de mudas de batata-doce ‘CIP-BRS-Nuti’ com 02 gemas, possibilitando melhor aproveitamento de ramas-sementes.

References

BALDUINO, G. F. Potencial ornamental de clones de batata-doce no Distrito Federal. 2021.

BELTRÃO, N. E. M.; CARDOSO, G. D.; VALE, L. S. Balanço energético e sequestro de carbono em culturas oleaginosas. 2007. Campina Grande: Embrapa Algodão, 2007. Série Documentos CNPA. Disponível em: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/273300. Acesso em: 20 jan. 2024.

BRUNE, S.; SILVA, J.B.C.; FREITAS, R. A. Novas técnicas de multiplicação de ramas de batata-doce. Brasília: Embrapa Hortaliças, 2005. 8 p. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CNPH-2009/31467/1/ct_39.

pdf. Acesso em: 15 jan. 2024.

CODEVASF – COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA. Projeto de Gerenciamento Integrado das Atividades Desenvolvidas em Terra na Bacia do São Francisco ANA/GEF/PNUMA/OEA Subprojeto 4.5C – Plano Decenal de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco – PBHSF (2004-2013). 150p, 2004. Disponível em: https://cdn.agenciapeixevivo.org.br/media/2020/

/Sintese_Resumo_Exec.-PLAN-DECENAL.pdf. Acesso em: 20 jan. 2024.

COLOMBO, J.; SORDI, A.; KLEIN, C.; BATISTON, J.; LENHARDT, C. G.; BIEGELMEIER, D.; LIPPERT, G. (2023). Desempenho agronômico de batatas-doces submetidas a doses de fertilizante mineral. Agropecuária Catarinense, v. 36, n. 1, p. 21–24. Disponível em: https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/ DOI: https://doi.org/10.52945/rac.v36i1.1442

article/view/1442/1487. Acesso em: 10 jan. 2024.

ECHER, F. R.; DOMINATO, J. C.; CRESTE, J. E. 2009. Absorção de nutrientes e distribuição da massa fresca e seca entre órgãos de batata-doce. Horticultura Brasileira, v. 27, p. 176-182. Disponível em: https://www.scielo.br/j/hb/a/KD9C6 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-05362009000200010

w5xtStBknpNTzspQCm/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 19 jan. 2024.

EMBRAPA. Sistema de produção de batata-doce. Embrapa Hortaliças, sistema de produção, v. 9, 2021. Disponível em: https://www.embrapa.br/

documents/1355126/8971369/Sistema+de+Produ%C3%A7%C3%A3o+de+Batata-Doce.pdf/4632fe60-0c35-71af-79cc-7c15a01680c9. Acesso em: 20 jan. 2024.

EMBRAPA. Batata-doce de polpa alaranjada CIP BRS Nuti. Portal Embrapa, 2021. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/9595/batata-doce-de-polpa-alaranjada-cip-brs-nuti. Acesso em: 20 jan. 2024.

FAOSTAT. FAO statistics division. Disponível em: https://www.fao.org/food-agriculture-statistics/en/. Acesso em: 20 jan. 2024.

FERREIRA, D. F. Sisvar: um sistema computacional de análise estatística. Ciência e agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cagro/a/yjKLJXN9KysfmX6rvL93TSh/abstract/?lang=pt. Acesso em: 20 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-70542011000600001

FILGUEIRA, F. A. R. Convolvuláceas: batata-doce, a batata de clima quente. In: FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3. ed. rev. e ampl. Viçosa, MG: Editora da UFV, 2008. p. 371-377.

GOLLA, A.R. Uso de bandeja na multiplicação de ramas de batata-doce. Pesquisa e Tecnologia, v. 7, n. 4, 2010. Disponível em: https://www.agricultura.

sp.gov.br/documents/1007647/0/4.USO%20DE%20BANDEJA%20NA%20MULTIPLICA%C3%87%C3%83O%20DE%20RAMAS%20DE%20BATATA-DOCE.p

df/12b4ac5c-97e1-6358-edb0-11cd127d66a5. Acesso em: 20 jan. 2024.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tabela 1612 – Área plantada, área colhida, quantidade produzida e valor da produção da lavoura temporária. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?c=1612&z=p&o=27. Acesso em: 20 jan. 2024.

LAURIE, S.; FABER, M.; ADEBOLA, P.; BELETE, A. Biofortification of sweet potato for food and nutrition security in South Africa. Food Research International, v. 76, p. 962–970, 2015. Disponível em: https://www.sciencedire DOI: https://doi.org/10.1016/j.foodres.2015.06.001

ct.com/science/article/abs/pii/S096399691530048X. Acesso em: 19 jan. 2024.

MELO, W. F.; SILVA, J. B. C.; MOITA, A. W. Avaliação da produtividade de clones de batata-doce ricos em provitamina A junto a agricultores familiares. Horticultura Brasileira, v. 28, 2010. Disponível em: https://www.alice.cnptia.

embrapa.br/alice/bitstream/doc/863471/1/A3101T4846Comp.pdf. Acesso em: 21 jan. 2024.

RAVI, V.; NASKAR, S.K.; MAKESHKUMAR, T.; BABU, B.; KRISHNAN, B.S.P. Molecular physiology of storage root formation and development in sweet potato (Ipomoea batatas (L.) Lam.). Journal of Root Crops, v. 35, p. 1-27, 2009. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Makeshkumar_T/publica

tion/268261721_Molecular_physiology_of_storage_root_formation_and_development_in_sweet_potato_Molecular_Physiology_of_Storage_Root_Formation_and_Development_in_Sweet_Potato_Ipomoea_batatas_L_Lam/links/54be302c0cf218d4a16a529f.pdf. Acesso em: 21 jan. 2024.

REBOITA, M. S; SANTOS, I. A. Influência de alguns padrões de teleconexão na precipitação no Norte e Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, v. 15, p. 28-48, 2014. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/ DOI: https://doi.org/10.5380/abclima.v15i0.37686

article/view/37686. Acesso em: 20 jan. 2024.

RÓS, A. B. Produtividade e formato de raízes tuberosas de batata-doce em função do número de gemas enterradas. Científica, Dracena, SP, v. 45, n. 3, p. 253–256, 2017. Disponível em: https://cientifica.dracena.unesp.br/index.php/ DOI: https://doi.org/10.15361/1984-5529.2017v45n3p253-256

cientifica/article/view/821. Acesso em: 20 jan. 2024.

RÓS, A. B.; ARAÚJO, H. S.; NARITA, N.; TAVARES FILHO, J. 2011. Uso de fertilizante e tempo de permanência de mudas de batata-doce produzidas em bandejas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 46, n. 8, p. 845-851. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pab/a/JLwD83F9B3hqs3jczGtb8BG/abstract/?lang=p DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-204X2011000800009

t#. Acesso em: 20 jan. 2024.

RÓS, A. B.; NARITA, N. Produção de mudas de batata-doce a partir de poucas plantas matrizes. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 6, n. 1, p. 85-89, 2022. Disponível em: http://www.agraria.pro.br/ojs32/index.php/RBCA/article/ DOI: https://doi.org/10.5039/agraria.v6i1a965

view/v6i1a965. Acesso em: 19 jan. 2024.

ROULLIER, C.; DUPUTIÉ, A.; WENNEKES, P.; BENOIT, L.; BRINGAS, V. M. F.; ROSSEL, G.; TAY, D.; MCKEY, D.; LOBOT, V. Disentangling the Origins of Cultivated Sweet Potato (Ipomoea batatas (L.) Lam.). PLoS ONE, v. 8, n. 5, 2013. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/jour DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0062707

nal.pone.0062707. Acesso em: 20 jan. 2024.

VERNIER, P.; VARIN, D. La Culture de la patate douce. Agriculture et devéloppement, Nouméa, n. 3, p. 54-63, 1994. Disponível em: https://agritrop.

cirad.fr/387073/1/document_387073.pdf. Acesso em: 07 dez. 2023.

Published

2024-02-24

How to Cite

de Sousa, L. A., de Oliveira Júnior, D. D., da Costa, G. J. C., Alves, G. P. E., Santos, J. L., de Lima, J. B., Feitosa, R. R. S., Noronha Júnior, M. P. da C., & Gomes, E. C. de S. (2024). Produção de fitomassa e acúmulo de carbono em mudas de batata-doce biofortificada ‘CIP-BRS-Nuti’ . Caderno Pedagógico, 21(2), e2850. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-102

Issue

Section

Articles