“Pantera Negra é do bem?” dispositivos afirmativos da cultura africana e afro-brasileira em uma experiência escolar

Authors

  • Gabriel dos Santos Kehler
  • Juniele Martins Silva
  • Patricio Ceretta
  • Priscila dos Santos Peixoto

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-101

Keywords:

cultura africana e afro-brasileira, biopolítica, dispositivos afirmativos, experiência escolar

Abstract

Este artigo apresenta reflexões sobre o debate da Cultura Africana e Afro-brasileira em registros pedagógicos de um projeto interdisciplinar desenvolvido em uma Escola Municipal de Itaara-RS (ano letivo de 2018). Os conceitos de biopolítica e necropolítica foram mobilizados teórico/metodologicamente na e para a captura de dispositivos afirmativos dos corpos-negros, com efeitos à problematização sobre a importância da temática nas escolas e sua urgência em visibilidades de referenciais positivos. Em suma, os registros pedagógicos provocaram a desnaturalização de preconceitos e intolerâncias históricas, culturais e sociais, culminando com sua exposição na Semana da Consciência Negra da escola, sendo que todo projeto foi pensado e desenvolvido baseado no conceito de biopolítica de Foucault (1985), observando como as políticas afirmativas operam nesse sentido e pelo conceito de Necropolítica de Mbembe (2016), mostrando como os povos e a cultura africana sofrem um processo sistemático de extermínio físico e simbólico. Entre as atividades desenvolvidas, podemos citar: confecção de bonecas abayomy, confecção de máscaras africanas, debates sobre racismo, trabalhos sobre a mitologia dos orixás, exposição culinária e um ciclo de cinema com filmes que abordam a temática; Entre essas ações, a última contribuiu para o título desse artigo por meio da exibição do filme “Pantera Negra” (2018), da Marvel. Durante a exibição, uma estudante branca, assistia com desconfiança ao filme e passados alguns minutos ela indagou a professora: – “Professora, o Pantera Negra é do bem?” A expressão e desconfiança da estudante ao assistir um filme que trata a cultura africana de forma emponderada e coloca um jovem negro como super-herói produziu certo “desconforto”, uma vez que é recorrente presença de atores e atrizes negras na televisão e cinema em papeis que remetem à escravidão, corpos-negros em subserviência e ao posto de grandes vilões. Ademais, enquanto trabalho contínuo e interdisciplinar fica a aposta no deslocamento de um corpo que foi marcado e nomeado pelas credenciais do aprisionamento, para uma enunciação afirmativa de pertencimento: Sim, o Pantera Negra também pode ser do bem! Afinal, o que pode(m) e/o não pode(m) um/vários corpo(s)-negro(s)?

References

ADORNO, T. Educação após Auschwitz. In: Educação e Emancipação. 3. ed. Tradução de Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Paz e Terra, 2003. p. 119-138.

APPLE, M. et al. Aliança conservadora na educação brasileira: revisitando a obra Educando à Direita: entrevista com Michael W. Apple*. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 17, e 20984, 2022. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php? DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.17.20984.091

script=sci_arttext&pid=S1809-43092022000100202&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 22 jan. 2024. Epub 20-Jan-2023. https://doi.org/10.5212/praxeduc.v.17.

091.

D’AMBRÓSIO. U. In: BORBA, M. de C. Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

DIALLO, A. Escravidão versus Holocausto. 2010. Disponível em: https://www.palmares.gov.br/wp-content/uploads/2010/11/ESCRAVID%C3%83

O-VERSUS-HOLOCAUSTO.pdf. Acesso em: 22 jan. 2024.

DUARTE, A. Poder soberano, terrorismo de Estado e biopolítica: fronteiras cinzentas. 2013. Disponível em: https://works.bepress.com/andre_duarte/47/ Acesso em: 22 jan. 2024.

FANON, F. Os Condenados da Terra. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 1968.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 6. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

GALLEGO, E. (Org). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

GALILEU. Revista. 'Pantera Negra' é repleto de referências históricas e culturais. 2018. Reportagem. Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/

Cultura/noticia/2018/02/pantera-negra-e-repleto-de-referencias-historicas-e-cult

urais.html. Acesso em: 15 jan. 2024.

GELEDÉS, Portal. Bonecas Abayomi: símbolo de resistência, tradição e poder feminino. Reportagem, 2015, Disponível em: https://www.geledes.org.br/bone

cas-abayomi-simbolo-de-resistencia-tradicao-e-poder-feminino/. Acesso em 15 de jan. 2024.

LIMA, M. Desigualdades Sociais e Políticas Públicas. Ações Afirmativas no Governo Lula. Revista Novos Estudos, 87, p. 77-95, jul. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-33002010000200005

MBEMBE, A. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MBEMBE, A. Necropolítica. Arte & Ensaios, Revista do PPGAV/EBA/UFRJ, n. 32, dez. 2016.

MBEMBE, A. As sociedades contemporâneas sonham com o apartheid. Entrevista Novo Jornal, 2014.

NJERI, A. Reflexões artístico-filosóficas sobre a humanidade negra. Ítaca, n. 36, p. 164-226, 2020. DOI: https://doi.org/10.59488/itaca.v0i36.31895

PEREIRA, P. MENDES, V. MOREIRA J. RODRIGUES, A. Feuerwerker L. O que podem corpos negros? Navegando pelas existências que habitam narrativas-rizoma-visceral. Interface (Botucatu), v. 26, e2101962022. DOI: https://doi.org/10.1590/interface.210196

POMBO, O. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liincem Revista, v.1,.1, p. 3 15, mar. 2005. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/ DOI: https://doi.org/10.18225/liinc.v1i1.186

view/3082/2778. Acesso em: 22 jan. 2024.

RUAS, T. Netto perde sua alma. 2. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1995.

SODRÉ, M. Pensar Nagô. Petrópolis, Rio de Janeiro, Vozes, 2017.

STANLEY, J. Como funciona o Fascismo. L&PM, 2018.

WARSCHAUER, C. A Roda e o Registro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

Published

2024-02-24

How to Cite

Kehler, G. dos S., Silva, J. M., Ceretta, P., & Peixoto, P. dos S. (2024). “Pantera Negra é do bem?” dispositivos afirmativos da cultura africana e afro-brasileira em uma experiência escolar. Caderno Pedagógico, 21(2), e2849. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-101

Issue

Section

Articles