Os impactos da perfuração de poços artesianos no Cariri Oriental Paraibano: um estudo de caso no assentamento Serra do Monte Cabaceiras – PB

Authors

  • José Erivaldo da Silva
  • Maria de Fátima Martins

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-087

Keywords:

recursos hídricos, semiárido, poços artesianos e ODS

Abstract

A água é fator condicionante à vida e está diretamente ligada as relações sociais de poder, travada historicamente entre os homens. Sendo assim, tem sido objeto de discussões em debates nas conferências mundiais, especialmente relacionadas a Agenda 2030, objetivo de número seis, que discorre sobre a garantia, a disponibilidade e o manejo sustentável da água e do esgotamento sanitário. Em regiões semiáridas, as águas superficiais são mais escassas que o normal, sendo necessário recorrer ao uso das águas subterrâneas, a partir de poços artesianos, como forma de garantir a sobrevivência humana e animal. O objetivo desse trabalho foi mapear os poços artesianos existentes no Assentamento Serra do Monte no Município de Cabaceiras – PB, a partir de uma análise da política de recursos hídricos local, identificando os impactos na renda das famílias, sob a ótica da sustentabilidade e dos ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O trabalho fundamentou-se nos textos da Agenda-21, da Agenda 2030, Brasil (2023), ASA (2023), Blank (2008), ONU (2014), Queiroz Rezende (2015), Souza (2007), Azevedo (2015), Furtado (1967) e Gomes (2012). A pesquisa justifica-se pela necessidade de compreender e valorar os efeitos das políticas dos recursos hídricos, o desenvolvimento regional, local e sustentável, aos recursos hídricos e a capacidade das pessoas de participação na sociedade com potencial ao processo de desenvolvimento. Os principais resultados obtidos foram: melhoria da renda das famílias; ampliação nos anos de estudos dos filhos dos assentados, especialmente das mulheres; maior participação da renda por recursos oriundos da propriedade, que de fontes externas.

References

AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA. Monitoramento de volume de açudes. Paraíba: AESA, 2015. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2023.

AGÊNCIA NACIONAL DAS ÁGUAS (Brasil). Plano decenal de recursos hídricos da Bacia do rio São Francisco (2004-2013). Brasília: ANA, 2004.

ARTICULAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. Programa de formação e mobilização para a convivência com o semiárido: um milhão de cisternas rurais. P1MC. Disponível em: Acesso em: 07 jul. 2023.

AZEVEDO, A. C. de. Versos e reversos das políticas públicas de águas para o semiárido brasileiro. Rev. Políticas e planejamento Regional, RJ, v. 2, n. 2, jul./dez., 2015, p. 373-392.

BLANK, D. M. P.; HOMRICH, I. G. N.: ASSIS, S. V. O gerenciamento dos recursos hídricos à luz do Ecodesenvolvimento. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental FURG, Rio Grande do Sul, v. 20, p. 53, jan./jun. 2008.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Secretaria de Políticas de Desenvolvimento Regional. Nova Delimitação do Semiárido Brasileiro (Cartilha). Brasília, DF: MI, 2005. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2023.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Secretaria de Políticas de Desenvolvimento Regional. Ministério da Integração Nacional. Secretaria de Políticas de Desenvolvimento Regional. Nova Delimitação do Semiárido Brasileiro – cartilha. Brasília, DF: MI, 2015. Disponível em: Acesso em: 16 jun.2023.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social. Semiárido. Brasília, DF: MDS, 2010. Disponível em: Acesso em: 15 jun. 2023.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa Água Doce. Brasília, DF: MMA, 2010. Documento base do Programa Água Doce.

BRITO, L. T. L.; SILVA, A. S.; PORTO, E. R. Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos. In: BRITO, L. T. de L.; MOURA, M. S. B. de; GAMA, G. F. B. (Ed.). Potencialidades da água de chuva no Semiárido Brasileiro. Petrolina, PE: Embrapa Semiárido, 2007.

CORDEIRO NETO, O. M. A estimativa do valor econômico da água: um discursão teórico. In: Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, 11: simpósio de hidráulica dos países de língua oficial portuguesa, 2. 1995. Recife. Anais, Recife, ABRH, 1995, p.44-449.

FURTADO, C. Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. 2 ed. Recife: Sudene, 1967.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, AS, 2008.

GOMES, U. A. F. Água em situação de escassez: água de chuva para quem? 2012. 346 f. Tese (Doutorado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

GUARDUÑO, H.; ARREGUÍN-CORTÉS, F. Uso eficiente del agua. UNESCO-PHI, 1994.

MALVEZZI, Roberto. Semiárido – uma visão holística. Brasília: Confea, 2007

NAÇÕES UNIDAS. 2,5 bilhões de pessoas não têm acesso a saneamento básico em todo o mundo. New Yorque: United Nations, 2014.

NEUMANN, J. von; MORGENSTERN, O. Theory of Games and Economic Behavior. Princeton, N.J.: Princeton Univ. Press, 1947. p. 11.

PEREIA, A. S.; SHITSUKA, D. M.; PEREIRA, F. J.; SHITSUKA, R. Metodologia da pesquisa cientifica, 2018.

PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade e gestão ambiental. PHILIPPI JUNIOR, Arlindo; MALHEIROS, Tadeu Fabricio. Barueri, SP: Manole, 2012.

POSTEL, Sandra. Dividing water: food security, ecosystem health and the new politics of scarcity. Worldwatech paper 132 Setempber, 1996.

QUEIROZ, Rosendo, ELIAMIN, Eldan; SOUZA, Bartolomeu Israel de; PIRES, André Lucena; PEDROSA, Leônidas Petrucio Dutra; FILGUEIRA, Hamilcar José Almeida. Chuvas extremas e desordenamento do território na construção do risco: um estudo de caso no município de Cabaceiras-Paraíba (Brasil) Cuadernos de Geografía. Revista Colombiana de Geografía, v. 24, n. 2, p. 189-203, julio/diciembre, 2015. Universidad Nacional de Colombia Bogotá, Colombia.

SHIKLOMANOV, Igor. World water resources – a new appraisal and assessment for the 21st century. UNESCO, 1998.

SILVA, Roberto Marinho Alves da. Entre o combate à seca e a convivência com o semiárido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Reimp. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2010.

SOUZA, Bartolomeu Israel de. Cariri paraibano: do silêncio do lugar à desertificação. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2008.

SOUZA, Ridelson Farias de. Terras agrícolas e o processo de desertificação em municípios do semiárido paraibano. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2007.

UNESCO. Compreehensive assessment of freshwater resources of teh world. Sustaining our Waters into the 21St century. Sei Unesco et al. 1997.

VEYRET, Yvette. Os riscos: o homem agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007.

Published

2024-02-22

How to Cite

da Silva, J. E., & Martins , M. de F. (2024). Os impactos da perfuração de poços artesianos no Cariri Oriental Paraibano: um estudo de caso no assentamento Serra do Monte Cabaceiras – PB. Caderno Pedagógico, 21(2), e2820. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-087

Issue

Section

Articles