O paradoxo de Solow e a inovação: o caso pernambucano dos agentes locais de inovação

Authors

  • Marcos Roberto Gois de Oliveira Macedo
  • Thiago Vasconcellos Modenesi
  • José Lamartine Soares Sobrinho
  • Monica Felts de La Roca Soares

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-077

Keywords:

agentes locais de inovação, componente principal, inovação, modelo Logit, Paradoxo de Solow, produtividade

Abstract

O presente estudo teve o objetivo de investigar se a inovação gerencial exógena tem efeito sobre a produtividade. Para tal foi selecionado uma amostra não probabilística de 184 micro e pequenas empresas participantes do programa Brasil Mais no estado de Pernambuco. O método escolhido foi a regressão logit usando como variável explicada o ganho de produtividade no formato binário. O problema de multicolinearidade das variáveis explicadas gerencias do radar ALI foi minimizado utilizando a ortogonalização dos vetores das dimensões do radar de inovação por meio dos componentes principais. Assim sendo, foi desenvolvido um modelo logit da produtividade com as dimensões iniciais, o incremento das dimensões e a variável produtividade inicial para minimizar a heterocedasticidade. Os resultados mostraram que a probabilidade de ganho de produtividade esperado pelas empresas sem a intervenção e ações propostas pelo programa Brasil Mais seria de 49%; mas com o programa Brasil Mais, tais empresas tiveram um incremento de quase 10% passando a ter uma chance de ganho de produtividade de 59%. Assim sendo o artigo aponta que um programa de fomento à inovação gerencial tem potencial para incrementar a produtividade de micro e pequenas empresas no ambiente de negócios brasileiro.

References

ALEXOPOULOS M.; TOMBE T. Management matters. Journal of Monetary Economics, v. 59, n. 3, p. 269-285, 2012.

AUDRETSCH, D. B.; BELITSKI, M. The role of R&D and knowledge spillovers in innovation and productivity. European Economic Review, v. 123, 2020.

BALLOT, G.; FAKHFAKH, F.; GALIA, F.; SALTER, A. The fateful triangle: complementarities in performance between product, process and organizational innovation in France and the UK. Research Policy, v. 44, n. 1, p. 217–232, 2015.

BLOOM N.; SADUN R.; VAN REENEN J. Management As a Technology? National Bureau of Economic Research, 2016.

BLOOM N., VAN REENEN J. Measuring and explaining management practices across firms and countries. The Quarterly Journal of Economics, v.122, p. 1351-1408. 2007.

BROWN, K.; OSBORNE, S. P. Managing Change and Innovation in Public Service Organizations. Routledge: New York, NY. 2012.

BRYNJOLFSSON E.; HITT L. M. Computing productivity: Firm-level evidence Revenue of Economics and Statistics., v. 85, n. 4, p. 793-808, 2003.

COMIN, D. Total factor productivity Economic Growth. London: Palgrave Macmillan, 2010.

DE NEGRI, F.; CHIARINI, T.; KOELLER, P.; ZUCOLOTO, G.; MIRANDA, P.; PEREIRA, L.; SZIGETHY, L.; RAUEN, A. e LOBO, F. Análise da Nova Estratégia Nacional de Inovação. Nota Técnica, Diset, IPEA, n. 91, out. 2021.

DEMIRCIOGLU, M. A.; AUDRETSCH, D. B.; SLAPER, T. F. Sources of innovation and innovation type: firm-level evidence from the United States. Industrial and Corporate Change, p. 1–15, 2019.

DEMIRCIOGLU, M. A.; AUDRETSCH, D. B. Conditions for innovation in public sector organizations. Research Policy, v. 46, n. 9, p. 1681–1691, 2017.

GRIFFITH, R.; HUERGO, H.; MAIRESSE, J.; PETERS, B. Innovation and Productivity Across Four European Countries. Oxford Review of Economic Policy, v. 22, n. 4, Winter, p. 483–498, 2006. https://doi.org/10.1093/oxrep/grj028

JOHNSON, R. A.; WICHERN, D. W. Applied multivariate statistical analysis. 4th ed. Upper Saddle River. New Jersey: Prentice-Hall, 1999. 815 p.

KATO-VIDAL, E. L. Productividad e innovación en pequeñas y medianas empresas. Estudios Gerenciales, Cali, v. 35, n. 150, p. 38-46, mar. 2019.

MACHADO, R. E.; FRACASSO, E. M. A influência dos fatores internos na capacidade absortiva e na inovação: proposta de um framework. In: Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica da ANPAD, 27, Salvador. Anpad, 2012.

MOHNEN, P.; POLDER, M.; VAN LEEUWEN, G. ICT, R&D and Organizational innovation: Exploring Complementarities in Investment and Production. National Bureau of Economic Research, 2018.

NASSIF, A.; FEIJÓ, C.; ARAUJO, E. Estimativa econométrica da produtividade do trabalho na indústria manufatureira brasileira nos anos 2000: uma abordagem kaldoriana. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 9–32, 2017.

OSLO. Manual 2018: Guidelines for Collecting, Reporting and Using Data on Innovation, 4th Edition, The Measurement of Scientific, Technological and Innovation Activities, OECD Publishing, Paris/Eurostat, Luxembourg.

ROPER, S.; VAHTER, P.; LOVE, J. H. Externalities of openness in innovation. Research Policy, v. 42, n. 9, p. 1544-1554, 2013.

SAWHNEY, M.; WOLCOTT, R.; ARRONIZ, I. The 12 different ways for companies to innovate. MIT Sloan Management Review, v. 47, n. 3, p. 75-81, 2006.

SEBRAE. Guia da Metodologia: Agentes Locais de Inovação. 2020.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo, SP: Nova Cultural. 1988.

[

SOLOW, R. M. We’d better watch out. New York Times Book Rev., v. 36, 1987.

TEIXEIRA, F. L. C. Tecnologia, Organizações e Produtividade: Lições do Paradoxo de Solow. Brazilian Journal of Political Economy [online], v. 21, n. 2, p. 322-341, 2001.

TRACHUK, A. V.; LINDER, N. V. Innovation and Performance: An Empirical Study of Russian Industrial Companies. International Journal of Innovation and Technology Management, 2018.

VALLADARES, P. S. D. de A.; VASCONCELLOS, M. A. de; DI SERIO, L. C. (). Capacidade de Inovação: Revisão Sistemática da Literatura. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 5, p. 598-626, 2014.

TORUGSA, N.; ARUNDEL, A. Complexity of innovation in the public sector: a workgroup-level analysis of related factors and outcomes. Public Management Review, v. 18, n. 3, p. 392–416. 2016.

WANNAKRAIROJ, W.; VELU, C. Productivity growth and business model innovation. Economics Letters, v. 199, 2021.

Published

2024-02-21

How to Cite

Macedo, M. R. G. de O., Modenesi, T. V., Sobrinho, J. L. S., & Soares, M. F. de L. R. (2024). O paradoxo de Solow e a inovação: o caso pernambucano dos agentes locais de inovação. Caderno Pedagógico, 21(2), e2796. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-077

Issue

Section

Articles