Home office as an ESG practice: benefits and humanization of work as perceived by employees

Authors

  • Janaina Almeida Bastos
  • João Pinheiro de Barros Neto

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-020

Keywords:

ESG, home office, humanization of work, teleworking, remote work

Abstract

Brazilians came across the COVID-19 health crisis in 2020 that broke with market and business standards, technologies and models, directly affecting people’s way of relating, working and living, reshaping social, cultural and economic contexts. Among these changes, remote work has never been more evident in the day-to-day lives of companies and their professionals. In this context, the question that guides this work is: what is the impact of the home office on the management of people in companies from the point of view of human resources. The objective of the work was to verify the perception of people about this mode of work, which can constitute a practice of ESG, since it contributes to the mitigation of a series of social and environmental problems of the modern world. The theoretical reference of the work is based mainly on the plural vision of ESG practices (ROMARO; SERRALVO, 2022) and on the humanization of people management (BARROS NETO, 2022; LIMONGI-FRANCE, 2012). This study is an exploratory survey, carried out by means of an online questionnaire, whose sample consisted of the response of 121 participants. The results indicate that teleworking can be a more humane way of working and a solution to numerous challenges that are being faced by organizations and society today in the environmental, social and governance aspects. As practical implications the study shows that home office adoption, widely endorsed by workers, is a way for companies to increase their employees’ motivation and commitment while contributing to building a better world for all. The originality and value of research lies in demonstrating that the benefits of good HR practices, such as home office deployment, can go beyond the internal scope of organizations.

References

ALVES, Ricardo Ribeiro. ESG: O presente e o futuro das empresas. Petrópolis: Vozes, 2023.

ANDRADE, G. As vantagens do home office: o que dizem estudos e pesquisas. Digilândia (online), 2020: https://digilandia.io/home-office/vantagens-do-home-office/#Impactos_sociais_e_ambientais.

ARAÚJO, L. F.; MARQUES, A. L.; SARAIVA, L. Humanização do Trabalho na Atualidade. Revista Observatório de Inovação do Turismo, 4(1), 27-40, 2019.

BALTAR, F.; BRUNET, I. Social research 2.0: virtual snowball sampling method using Facebook, Internet Research, 22 (1), pp. 57-74, 2012. https://doi.org/10.1108/10662241211199960 DOI: https://doi.org/10.1108/10662241211199960

BARDIN, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

BARRERO, J. M.; BLOOM, N.; DAVIS, STEVEN J.; MEYER, B. H.; MIHAYLOV, E. The shift to remote work lessens wage-growth pressures. Working Paper 30197. Cambridge: National Bureau of Economic Research, 2022. DOI: https://doi.org/10.3386/w30197

BARRETO, M.; FERRAZ, A. Humanização do trabalho e suas representações: uma análise bibliométrica e mapeamento do conhecimento produzido no Brasil. RAE-Revista de Administração de Empresas, 53(6), 639-653, 2013.

BARROS NETO, João Pinheiro de. Gestão de pessoas 4.0. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2022.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 12.551, de 15 de dezembro de 2011. Altera o art. 6º da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, para equiparar os efeitos jurídicos da subordinação exercida por meios telemáticos e informatizados à exercida por meios pessoais e diretos. Diário Oficial da União, Brasília, 2011.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Brasília, 2017.

BRASIL. Presidência da República. Medida provisória nº 927, de 22 de março de 2020. Altera a Lei, e dispõe sobre as medidas trabalhistas para enfrentamento do estado de calamidade pública. Brasília, 2020.

CARRION, Valentin. CLT: Comentários à consolidação das leis trabalhistas. São Paulo: Saraiva Jur, 2023.

CNS, Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510. Brasília: Ministério da Saúde, 7 de abril de 2016.

CONEGLIAN, T. N. M. Teletrabalho home office: identidade, subjetividade e saúde mental dos trabalhadores. Curitiba: CRV, 2020.

CRESWELL, J. W. Educational research: Planning, conducting, and evaluating quantitative and qualitative research. Boston: Pearson, 2012.

GOI JUNIOR, Luiz Otavio. Sustentabilidade corporativa e ESG: como ir de lucrar por lucrar para lucrar com propósito. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2022.

JANARY, J. Medida provisória regulamenta teletrabalho e muda regras do auxílio-alimentação, 2022. https://www.camara.leg.br/noticias/861554-medida-provisoria-regulamenta-teletrabalho-e-muda-regras-do-auxilio-alimentacao/.

LA TAILLE, Y. de. Ética em pesquisa com seres humanos: dignidade e liberdade. In: GUERRIERO, I. C. Z.; SCHMIDT, M. L. S.; ZICKER, F. (orgs.). Ética nas pesquisas em ciências humanas e sociais na saúde. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008.

LIMONGI-FRANÇA, A. C. (2012). Humanização nas organizações. São Paulo: Atlas, 2012.

MACK, O.; KHARE, A.; KRÄMER, A.; BURGARTZ, T. Managing in a VUCA world. Cham: Springer International Publishing AG Switzerland, 2016. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-319-16889-0

MARTON, F.; CARBINATTO, B. E se trabalhássemos para sempre em regime de home office? Superinteressante, online, 2022. https://super.abril.com.br/

ciencia/e-se-trabalhassemos-para-sempre-em-regime-de-home-office.

MELLO, Á.; DAL COLLETO, A. Telework and its effects in Brazil. In: MESSENGER, Jon C. (ed.). Telework in the 21st Century: an evolutionary perspective, p.211-254. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 2019. DOI: https://doi.org/10.4337/9781789903751.00012. DOI: https://doi.org/10.4337/9781789903751.00012

MESSENGER, J. C. Telework in the 21st Century: an evolutionary perspective. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 2019. DOI: https://doi.org/10.4337/9781789903751

O'DUINN, J. Distributed teams: the art and practice of working together while physically apart. San Francisco: Release Mechanix, LLC, 2021.

OLIVEIRA, A. de; TCHAKERIAN, G. Home office e teletrabalho. Salvador: Juspodivm, 2022.

PACHECO, F. L.; DESTE, J. A. O teletrabalho na legislação brasileira e sua multidisciplinaridade: aspectos teóricos e práticos. Leme: Mizuno, 2021.

PARMEGIANE, D. Dado existencial: Análise da jornada excessiva de trabalho e o teletrabalho sob a ótica da dignidade da pessoa humana. Curitiba: CRV, 2021. DOI: https://doi.org/10.24824/978655868104.5

PEREIRA, A. N. Teletrabalho: um recorte exploratório de conceitos e de práticas normativas e jurisprudenciais celetistas e no TRT 2ª Região. Leme: Mizuno, 2022.

PRAIS, J. L. de S.; ROSA, V. F. da. Nuvem de palavras e mapa conceitual: estratégias e recursos tecnológicos na prática pedagógica. Nuances: Estudos sobre Educação, 28(1), 201-219, 2017. DOI: https://doi.org/10.14572/ DOI: https://doi.org/10.14572/nuances.v28i1.4833

nuances.v28i1.4833.

ROCHA, C. T. M. da; AMADOR, F. S. O teletrabalho: conceituação e questões para análise. Cad. Ebape.Br, 16(1), 1-11, 2018. https://doi.org/10.1590/1679-395154516. DOI: https://doi.org/10.1590/1679-395154516

ROMARO, Paulo; SERRALVO, Francisco Antônio. ESG: uma visão plural. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2022.

SERRALVO, L. L. S.; MANUS, P. P. T. Teletrabalho e a responsabilidade civil do empregador: implicações para o home office. São Paulo: LTr, 2022.

SILVA, D. da. Home office: vantagens e desvantagens para as empresas e colaboradores, 2021. https://www.zendesk.com.br/blog/home-office-vantagens-e-desvantagens/. DOI: https://doi.org/10.18312/connectionline.v0i24.1629

SOBRATT, Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades. Orientação para implantação e prática do Teletrabalho e home office. São Paulo, 2020.

STÜRMER, G.; FINCATO, D. Teletrabalho em tempos de calamidade por Covid19: impacto das medidas trabalhistas de urgência. Rio Grande do Sul: Jus Podvm, 2020.

VASCONCELLOS-SILVA, P.; ARAÚJO-JORGE, T. Análise de conteúdo por meio de nuvem de palavras de postagens em comunidades virtuais: novas perspectivas e resultados preliminares. In: Anais 8º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa: Investigação Qualitativa na Saúde. Lisboa: Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, 2019.

VILELA, R. B., RIBEIRO, A.; BATISTA, N. A. Nuvem de palavras como ferramenta de análise de conteúdo. Millenium, (11), 29-36, 2020.

Published

2024-02-09

How to Cite

Bastos, J. A., & de Barros Neto , J. P. (2024). Home office as an ESG practice: benefits and humanization of work as perceived by employees. Caderno Pedagógico, 21(2), e2661. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n2-020

Issue

Section

Articles