A percepção do home office pós pandemia sob o olhar de servidores públicos de uma instituição de ensino superior

Authors

  • Emanuella Rodrigues Veras da Costa Paiva
  • Tarciara Magley da Fonseca Pereira
  • Laís Karla da Silva Barreto
  • Leonardo Freire de Mendonça Soares
  • Eliane Saturnino Césa
  • Fábio da Silva
  • Walid Abbas El Aouar
  • Leandro Trigueiro-Fernandes

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-065

Keywords:

Home Office, Servidores, Teletrabalho, TIC, COVID-19

Abstract

Esta pesquisa teve como objetivo analisar a percepção de profissionais que atuaram em regime de home office durante o período de pandemia da Covid-19, visando identificar as vantagens, desvantagens e os desafios desta prática, bem como suas perspectivas de continuidade em um contexto de pós-pandemia. Para aprofundar a temática esta revisão da literatura abordou o conceito e a evolução do teletrabalho e pesquisas relacionadas a experiências e práticas do home office. Utilizando o método de pesquisa, foi realizado um questionário survey por meio de disponibilização de um link com um questionário em Google Forms, dirigido aos servidores da instituição que estavam em atividade de forma remota no período da pandemia utilizando o formato home office, foram utilizados 19 respostas, que corresponde a uma média de 70% de servidores totais da Pró-Reitoria onde o estudo foi realizado, para análise dos dados, considerando apenas os indivíduos que trabalharam nessa modalidade pelo menos em algum momento de suas vidas profissionais, sendo esse momento antes ou durante, a pandemia. Os principais resultados indicam que o home office é uma tendência para um futuro próximo, com cenário favorável à sua prática, e com indicação de utilizar seu formato a modalidade híbrido, mas será necessário a estruturação da modalidade por parte das instituições, com foco em fornecimento de recursos necessários, estabelecendo limites e respeitando a carga horária de dedicação, horários de reuniões, melhoria no suporte e apoio na definição mais clara de limites da fronteira entre o profissional e o pessoal no home office. Como sugestão para novos estudos, cabe considerar como o home office afeta o processo de inclusão e diversidade no ambiente profissional e a possibilidade aumentar o fosso de outros setores da instituição.

References

ALVES, Daniela A. de. Tempo e Trabalho: Gestão, produção e experiência do tempo no teletrabalho. Porto Alegre: Escritos, 2014.

ANTUNES, Ricardo; BRAGA, Ruy. Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009.

BARROS, Ana Maria; SILVA, João Ricardo G. Percepções dos indivíduos sobre as consequências do teletrabalho na configuração home office: estudo de caso na Shell Brasil. Cadernos EBAPE.BR, v. 8, n. 1, 2010.

BELL, Daniel. El advenimiento de la sociedad post industrial. Madri: Alianza Editorial, 1976.

BOHLER, F. R. O teletrabalho no setor público: um estudo junto aos teleservidores do TRT do Paraná. Curitiba: PGSOCIO-UFPR, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Painel Coronavírus Brasil. Disponível em: https://covid.saude.gov.br

COSTA, Iraci Sales Almeida. Poder, saber e subjetividade na construção do sentido do teletrabalho. 2003. Tese (Doutorado em Administração) - Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA [FEA]. Satisfação e Desempenho na Migração para o home office. Disponível em: http://fea.usp.br/sites/default/files/su-mario_executivo_divulgacao.pdf

FIOCRUZ. Saúde e política na crise da Covid-19: apontamentos sobre a pandemia na imprensa brasileira. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/41965/2/3.pdf

FLEURY, Maria Tereza Leme; WERLANG, Sérgio R. Pesquisa Aplicada: conceitos e abordagens. Anuário de Pesquisa: 2016-2017. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 2017.

G1 ECONOMIA. Home office deixa profissionais mais ansiosos e estressados, revela pesquisa do LinkedIn. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/2020/05/27/home-office-deixa-profissionais-mais-ansiosos-e-estressados-revela-pesquisa-do-linkedin.ghtml .

GASPAR, André et al. Teletrabalho no desenvolvimento de sistemas: um estudo sobre o perfil dos teletrabalhadores do conhecimento. Revista Ciências Administrativas, v. 17, n. 3, 2011.

HISLOP, Donald. Variability in the use of mobile ICTs by homeworkers and its consequences for boundary management and social isolation. Information and Organization, v. 25, n. 4, 2015.

IETZE, Suzanne. Discourse as strategic coping resource: managing the interface between "home” and "work”. Journal of Organization Change Management, v. 18, n. 1, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE]. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Disponível em: https://covid19.ibge.gov.br/pnad-covid/trabalho.php .

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA [Ipea]. Nota técnica número 47 – 2° semestre de 2020. Potencial de teletrabalho na pandemia: um retrato no Brasil e no mundo. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/conjuntura/200602_nt_cc47_mercado_de_trabalho_iii.pdf

LUNA, Renata Aparecida. Home office um novo modelo de negócio e uma alternativa para os centros urbanos. 2014. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Carlos.

MELLO, Ana Alice A. O uso do Teletrabalho nas empresas de Call Center e Contact Center multiclientes atuantes no Brasil: estudo para identificar as forças propulsoras, restritivas e contribuições reconhecidas. 2011. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo.

MELLO, Ana Alice A. et al. Teletrabalho Como Fator de Inclusão Social e Digital em Empresas de Call Center/Contact Center. REA UFSM, v. 7, n. 3, 2014.

MILLIKEN, Frances J.; KNEELAND, Michael K.; FLYNN, Elizabeth. Implications of the COVID-19 Pandemic for Gender Equity Issues at Work. Journal of Management Studies, v. 57, n. 8, 2020.

NEELEY, Tsedal. Remote Work Revolution: Succeeding from Anywhere. New York: Harper Business, 2021.

NOHARA, Jouliana et al. O teletrabalho na percepção dos teletrabalhadores. Revista de Administração e Inovação, v. 7, n. 2, 2009.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO [OIT]. Working anytime, anywhere: The effects on the world of work. Disponível em: https://www.ilo.org/global/publications/books/WCMS_544138/lang--en/index.htm

OLIVEIRA, Daniela Ribeiro. Do fim do trabalho ao trabalho sem fim: o trabalho e a vida dos trabalhadores digitais em Home Office. Tese de doutorado - Universidade Federal de São Carlos, 2017.

PRICE WATER HOUSE COOPERS [PwC]. Quando todos podem trabalhar em casa, para que serve o escritório? Disponível em: https://www.pwc.com/us/remotework?utm_campaign=sbpw-c&utm_medium=site&utm_source=articletext

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

ROCHA, Cláudio Torres Miranda; AMADOR, Fernando de Sousa. O teletrabalho: conceituação e questões para análise. Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 1, 2018.

RYSAVY, Mark D. T.; MICHALAK, Robert. Working from Home: How We Managed Our Team Remotely with Technology. Journal of Library Administration, v. 60, n. 5, 2020.

SCHMID, Laura et al. Changes in employment and relationship satisfaction in times of the COVID-19 pandemic: Evidence from the German family Panel. European Societies, v. 23, n. 1, 2021.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS [Sebrae]. Confira as vantagens e desvantagens do home office. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/vantagens-e-desvantagens-do-home-office,78f89e665b182410VgnVCM-100000b272010aRCRD

SOARES, Adail. Teletrabalho e comunicação em grandes CPDs. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, 1995.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE TELETRABALHO E TELEATIVIDADES [Sobratt]. Reflexões sobre o teletrabalho no Brasil: antes e depois da Lei n. 13.467/2017. Disponível em: https://www.sobratt.org.br/01092017-reflexoes-sobre-o-teletrabalho-no-brasil-antes-e-depois-da-lei-n-13-4672017/

WALTER, Otávio Martins Falcão Carneiro. Análise de ferramentas gratuitas para condução de survey online. Produto & Produção, v. 14, n. 2, 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION [WHO]. Coronavirus (Covid-19) Dashboard. Disponível em: https://covid19.who.int/

WILLIAMS, Christine; KAYAOGLU, Ayse. COVID-19 and undeclared work: impacts and policy responses in Europe. The Service Industries Journal, v. 40, n. 13-14, 2020.

Published

2024-05-10

How to Cite

Paiva, E. R. V. da C., Pereira, T. M. da F., Barreto, L. K. da S., Soares, L. F. de M., Césa, E. S., Silva, F. da, Aouar, W. A. E., & Trigueiro-Fernandes, L. (2024). A percepção do home office pós pandemia sob o olhar de servidores públicos de uma instituição de ensino superior. Caderno Pedagógico, 21(5), e2630. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-065

Issue

Section

Articles